terça-feira, 21 de agosto de 2018

40% DOS ELEITORES AINDA NÃO DEFINIRAM CANDIDATO À PRESIDÊNCIA



De acordo com a Justiça Eleitoral, o Brasil tem  147.302.357* eleitores aptos a votar nas eleições de 07 de outubro, Segundo a pesquisa Ibope divulgada na noite desta segunda-feira, 20 de agosto, pelo menos 40% dos brasileiros ainda não se decidiram em que vão votar para eleger o novo presidente da República. São quase 60 milhões de brasileiros em dia com a Justiça Eleitoral que declararam não ter preferência por nenhum dos nomes aptos a disputar a corrida ao Palácio do Planalto. No cenário sem o presidente Lula na consulta, 29% declararam votos brancos e nulos, e 9% não souberam ou não quiseram responder.

Estagnado há cerca de seis meses na mesma margem de preferência, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) ainda lidera com 20% das intenções de voto no cenário sem Lula da Silva e com Fernando Haddad como candidato do PT,

No cenário com Lula, que aparece com 37% das intenções de voto, Bolsonaro cai para 18%. Considerando que o ex-presidente Lula está inelegível, de acordo com os critérios da Lei da Ficha Limpa, o cenário em que o presidiário figura como candidato pode ser perfeitamente ignorado. Uma pesquisa divulgada também nesta segunda-feira pelo CMT/MDA, Lula também aparece com 37,3% das intenções de votos, seguido por Bolsonaro com 18,8%, números bem próximos dos resultados da pesquisa Ibope. É possível especular se parte dos eleitores que declaram voto em Lula, mesmo na condição de presidiário, se manifestam desta forma como um protesto, uma forma de demonstrar o descontentamento com a classe política.

Acompanhe abaixo percentuais de intenção de voto de todos os candidatos citados pelos entrevistados:

Cenário sem Lula

  • Jair Bolsonaro (PSL): 20%
  • Marina Silva (Rede): 12%
  • Ciro Gomes (PDT): 9%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
  • Fernando Haddad (PT): 4%
  • Alvaro Dias (Podemos): 3%
  • Eymael (DC): 1%
  • Guilherme Boulos (PSOL): 1%
  • Henrique Meirelles (MDB): 1%
  • João Amoêdo (Novo): 1%
  • Cabo Daciolo (Patriota): 1%
  • João Goulart Filho (PPL): 1%
  • Vera (PSTU): 1%
  • Brancos e nulos: 29%
  • Não souberam ou não quiseram responder: 9%
Com informações do UOL

PODEM RECLAMAR NA ONU, NA OEA, NO VATICANO E NA SOCIEDADE PROTETORA DOS ANIMAIS, QUE NÃO ADIANTA NADA: LULA ESTÁ MESMO INELEGÍVEL

Em manifestação encaminhada nesta segunda-feira, 20, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques, sustentou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) – preso e condenado no âmbito da Operação Lava Jato – “está inelegível”. Jacques reiterou ao TSE o pedido para que o registro do petista seja rejeitado pela Corte Eleitoral.
A candidatura de Lula ao Palácio do Planalto já é alvo de dez contestações, entre elas as impugnações apresentadas pelo Ministério Público Eleitoral, Partido Novo, pelo candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, e pelos candidatos a deputado federal Alexandre Frota (PSL-SP) e Kim Kataguiri (DEM-SP), líder do Movimento Brasil Livre (MBL).
OUTRAS IMPUGNAÇÕES – O pedido de registro do petista também foi contestado em quatro petições assinadas por três advogados e um bacharel em direito. Uma resolução do TSE prevê que qualquer cidadão pode, no prazo de 5 dias da publicação do edital ao pedido de registro, “dar notícia de inelegibilidade ao tribunal eleitoral competente”.
No documento enviado ao TSE, Humberto Jacques ressaltou que a Lei da Ficha Limpa prevê que estão inelegíveis para qualquer cargo os políticos que forem condenados por órgão colegiado (desde a condenação até o prazo de oito anos após o cumprimento da pena) por crimes contra a administração pública e de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores, como é o caso de Lula.
CONDENAÇÃO – Em janeiro deste ano, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) condenou o ex-presidente a 12 anos e um mês de corrupção pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá.
Jacques ressaltou que as petições apresentadas pelos quatro cidadãos noticiam a condenação do petista pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no TRF-4. “Tal circunstância implica na inelegibilidade do candidato”, destacou o vice-procurador-geral eleitoral.
“Com efeito, o candidato está inelegível, e o mesmo fato fundamenta a impugnação apresentada pelo Ministério Público Eleitoral. (…) Diante do exposto, o Ministério Público Eleitoral manifesta-se pelo reconhecimento da causa de inelegibilidade noticiada, com o consequente indeferimento do registro de candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, reiterando-se, na oportunidade, todos os termos da impugnação apresentada”, concluiu Jacques.
TRAMITAÇÃO  O relator do pedido de registro de Lula no TSE é o ministro Luís Roberto Barroso, vice-presidente do tribunal. Conforme informou o Estadão/Broadcast na última quinta-feira, 16, Barroso pretende imprimir ao registro de candidatura de Lula o mesmo rito previsto para qualquer outro candidato que dispute o Palácio do Planalto.
Na condição de relator do registro, caberá a Barroso ditar o ritmo do processo. O ministro já indicou que pretende deixar a decisão sobre o caso para o plenário da Corte Eleitoral, por se tratar de um tema institucionalmente relevante.
Dessa forma, integrantes do tribunal acreditam que o plenário vai julgar o registro do ex-presidente apenas no início de setembro, com a propaganda partidária já sendo veiculada no rádio e na televisão. O horário eleitoral gratuito começa no dia 31 de agosto. - Tribuna da Internet -

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

O PEDIDO DA ONU PARA LULA SAIR CANDIDATO É UMA FARSA DA ESQUERDA PETRALHA E UMA TREMENDA MENTIRA DESLAVADA...


O jornalista Carlos Alberto Sardenberg desmontou por completo a farsa divulgada pelo PT, por sites de esquerda e pela defesa do petista que dava como certa uma decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU, pedindo que o Brasil tome as medidas necessárias para garantir que Lula, mesmo preso, participe das eleições presidenciais com todos os direitos de candidato.

O jornalista começa abordando a trapalhada lembrando que as "FakeNews não são apenas mentiras deslavadas. Quer dizer, muitas são, mas facilmente desmentidas. As que produzem efeitos fortes são as fake mais elaboradas, com base em algumas verdades e muitas distorções".

Carlos Alberto Sardenberg ensina que "Há um jeito simples de entendê-las: buscar a história em sua fonte original, ali de onde partiu a informação posteriormente manipulada".

O caso de hoje, claro, é o comunicado do Comitê de Direitos Humanos da ONU, pedindo que o Brasil tome as medidas necessárias para garantir que Lula, mesmo preso, participe das eleições presidenciais com todos os direitos de candidato.

Aqui já temos um ponto: o primeiro comunicado é do Comitê de Direitos Humanos, um órgão formado por 18 “especialistas” independentes – acadêmicos em geral – e que não tem nenhum poder decisório ou mandatório. Está lá no site da ONU: a função do Comitê é “supervisionar e monitorar” o cumprimento dos acordos internacionais de defesa dos direitos humanos. E fazer recomendações, sempre em entendimento e consultas com os países envolvidos.

Esse comunicado não foi divulgado oficialmente, mas saiu em matéria da BBC, na última sexta-feira. Um vazamento.

Depois, saiu uma nota do Escritório de Direitos Humanos, no site oficial da ONU, com o título “Information note” sobre o Comitê de Direitos Humanos. Ali se explica que não se deve confundir o Comitê com o Conselho de Direitos Humanos – este um órgão de alto nível, formado por representantes (diplomatas) de 47 países e que se reporta à Assembleia Geral da Nações Unidas, o órgão máximo da entidade. E este Conselho não decidiu absolutamente nada sobre esse caso.

Vai daí que são fake todas as notícias do tipo: ONU manda, determina, exige que Lula participe da eleição; Conselho da ONU decide a favor de Lula, (forçando uma confusão do Comitê com o Conselho, por ignorância ou má fé); decisão do Comitê é obrigatória".

Tem mais. O próprio texto oficial da ONU faz as ressalvas que denunciam indiretamente aquelas fake news. Diz: “é importante notar que esta informação, embora seja emitida pelo Escritório das Nações Unidas para Direitos Humanos, é uma decisão do Comitê de Direitos Humanos, formado por especialistas independentes. (Logo) esta informação deve ser atribuída ao Comitê de Direitos Humanos”. - Fonte: Imprensa Viva - 

domingo, 19 de agosto de 2018

A IMUNDA DA DILMA SERÁ BARRADA PELO TSE: NÃO PODE SER CANDIDATA A SENADORA, JAMÉ!!!


A “interpretação criativa” que o Senado fez do artigo 52 da Constituição trata da punição automática ao presidente da República cassado por crime de responsabilidade. Com seu “fatiamento”, o Senado condenou Dilma, mas não a inabilitou. No entanto, a condenação pelo colegiado de senadores a enquadrou na Ficha Limpa. A lei foi criada em 2010 para impedir candidatos condenados, corruptos notórios e impunes. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Senadores aliados do PT, desprovidos de pudor, fizeram a manobra que fatiou (ou estuprou, como preferem alguns juristas) a Constituição. Doze senadores participaram da “armação” despudorada que livrou Dilma da punição. Dez deles do PMDB de Renan e Michel Temer. As impugnações da candidatura de Dilma em Minas tratam apenas do fatiamento malandro, mas o busílis está na Lei da Ficha Limpa. A Ficha Limpa barra candidatos condenados por órgão colegiado e cujas contas foram rejeitadas. Dilma se encaixa nos dois casos.

É PRECISO TER CUNHÃO DE AÇO PARA AGUENTAR ESSA, VEJAM!!!



O BUNDA SUJA BOLSONARO É MAIS ENROLADO DO QUE FUMO DE ARAPIRACA...




Apoiadores do candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, criticaram o jornalista Reinaldo Azevedo por ter exposto o presidenciável a uma das cenas mais constrangedoras durante o debate entre demais candidatos ao Planalto exibido pela Rede TV!, nesta sexta-feira.

Segundo apoiadores de Bolsonaro, o jornalista fez uma pergunta muito difícil ao questioná-lo sobre dívida pública. Visivelmente embaraçado, Bolsonaro abordou outras questões que não possuíam qualquer relação com a pergunta. Segundo as queixas dos apoiadores do candidato do PSL nas Redes Sociais, o objetivo do jornalista era demonstrar o total despreparo para uma questão crucial de macroeconomia. Acompanhe o trecho do debate no vídeo abaixo:


quinta-feira, 16 de agosto de 2018

LULA TENTOU FRAUDAR A DEMOCRACIA, FUDEU-SE!!!


O jurista especialista em Direito Eleitoral Adriano Soares da Costa disse nesta quarta-feira (15) que há deslealdade processual na utilização da Justiça Eleitoral por partidos políticos, em defesa da candidatura presidencial do ex-presidente Lula, mesmo sabendo que o condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, em segunda instância, e deverá ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e declarado inelegível pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). As declarações foram dadas em transmissão ao vivo em seu perfil do Facebook.

Mesmo considerando a Lei da Ficha Limpa “ruim e inconstitucional”, Adriano Soares entende que não haverá nenhuma violação de direitos na prevista rejeição ao registro de candidatura de Lula, porque o Supremo Tribunal Federal (STF) já superou este debate no Brasil, ainda que de forma absurda, em seu entendimento.

“É uma deslealdade processual a tentativa de fraudar o processo eleitoral, esticando uma candidatura que, desde já, se sabe, inclusive, que o candidato não é candidato e já tem uma vice de reserva [Manuela D’Ávila] e um sucessor de reserva [Fernando Haddad]. É algo que é explícito. E, de tão explícito, é intolerável. Fosse qual fosse o partido ou candidato, fosse o que fosse, não podemos brincar com a democracia”, condenou Adriano Soares.

O especialista ainda considerou que não haverá nenhum absurdo, se o TSE decidir logo esta matéria, inclusive depois dos questionamentos feitos pela procuradora-geral eleitoral, Raquel Dodge, que ingressou com uma impugnação do registro da chapa de Lula, pedindo sua rejeição e a suspensão de sua campanha.

Adriano Soares ainda considerou importante lembrar que os “pais da criança” da Lei da Ficha Limpa  são o PT, a CUT e os partidos de esquerda que pressionaram pela aprovação da Lei Complementar 135/2010, como forma de a barrar os candidatos com ficha suja na Justiça. E vê argumentos estranhos ao Direito Eleitoral, nas tentativas de garantir a presença de Lula na disputa presidencial, após sua condenação pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), no caso do Triplex do Guarujá.

“Quando vejo certos discursos, dizendo que é a hora de manter a mesma lógica que tantos outros tiveram nas eleições municipais e estaduais… Nunca na história do Brasil se teve um candidato com o descaramento – que este é o caso – de forçar a barra nesse nível, para bagunçar a democracia brasileira nesta magnitude. Brincar com a vontade popular. Brincar e colocar em risco a economia do País no futuro; a estabilidade política, já num País de tanta instabilidade. Esse é o grande erro desta tentativa”, declarou o jurista alagoano, ao ponderar a respeito da atuação de advogados que cumprem seu papel em defesa das necessidades políticas de seus clientes.

A íntegra da transmissão do jurista, que dura cerca de 50 minutos, pode ser vista abaixo:

O CIRCO PETRALHA CONTRA A DEMOCRACIA CONTINUA...


Nesta quarta-feira, último dia para o registro de candidaturas na Justiça Eleitoral, o petismo armou um enorme circo em Brasília, com a presença de suas entidades-satélites, como a CUT e o MST, para protocolar o que, no fundo, é um enorme desafio à lei e às instituições: a candidatura de um ficha-suja, o ex-presidente Lula, que tem contra si condenação em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá. O trânsito nas imediações do trajeto entre o estádio Mané Garrincha e a sede do TSE foi prejudicado, mas muito maior que o tumulto causado no dia a dia do brasiliense é o caos que o PT quer provocar no processo eleitoral de 2018.

Os responsáveis pelo registro – já que o próprio Lula, por razões óbvias, não poderá estar presente ao evento – encontraram um meio de entregar à autoridade eleitoral toda a documentação exigida para formalizar sua candidatura. Segundo uma resolução do TSE, o candidato é obrigado a apresentar apenas certidões criminais emitidas pela Justiça do local onde ele tem domicílio eleitoral. No caso de Lula, que tem domicílio eleitoral em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, não constam condenações contra ele na Justiça paulista, já que a sua condenação em primeira instância ocorreu no Paraná e a confirmação da sentença foi feita pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, em Porto Alegre (RS). Em outras palavras, Lula conseguirá reunir a papelada necessária para o registro.

Nada disso, é claro, importa para os efeitos da Lei da Ficha Limpa, que não faz distinção entre locais de domicílio eleitoral e condenação criminal. A decisão do TRF-4 torna Lula inelegível, e disso não há a menor dúvida. A opção dos advogados de Lula de “esconder” a condenação em segunda instância apresentando apenas a certidão emitida em São Paulo é legal, sem dúvida, mas mostra a ausência de compromisso com a ética e a intenção de embaralhar o processo eleitoral ao levar adiante a candidatura de um notório ficha-suja. O PT, assim, trata a eleição como uma brincadeira, um trote em que os enganados são os quase 150 milhões de eleitores que irão às urnas em 7 de outubro.

A condenação pode não estar na documentação apresentada pelos petistas, mas é amplamente conhecida no país inteiro – e se qualquer juiz eleitoral, nos recantos mais distantes do país, sabe que Lula é um ficha-suja, quanto mais aqueles que analisarão seu registro de candidatura, em Brasília. Por isso, resta saber como o TSE responderá a essa provocação de quem tem a lei e as instituições em tão pouca conta. A estratégia petista é conseguir o registro para que ele seja contestado pelo Ministério Público Eleitoral ou por adversários do petista, e assim tenhamos uma candidatura sub júdice. Nessas condições, a lei garantiria a Lula o nome na urna eletrônica e o uso do horário eleitoral no rádio e na televisão, entre outros direitos. - Imprensa Viva - 

PROCURADORA VAI CASSAR A CANDIDATURA DO FICHA SUJA, O CRIMINOSO LULA


O portal jurídico Jota acaba de informar que a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, protocolou no início da noite desta quarta-feira (15) pedido de impugnação ao registro do ex-presidente Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo Dodge, o petista não é elegível uma vez que foi condenado em segunda instância. Mesmo cientes das implicações da Lei da Ficha Limpa, representantes do PT registraram mais cedo, na sede do TSE), em Brasília, a candidatura do condenado à Presidência da República com o ex-prefeito Fernando Haddad como candidato a vice.

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

A NOVA PRESIDENTE DO TSE VAI BOTAR NO RABO DE LULA SEM CUSPE E SEM VASELINA...



Depois de tomar posse como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a ministra Rosa Weber falou nesta terça-feira sobre a situação da candidatura do PT, que vai confirmar o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o nome do partido nesta quarta-feira, último dia para registro das chapas para as eleições de 2018. A ministra disse que vai esperar os prazos da lei para avaliar a situação de todas as candidaturas.

“Este é um tribunal da celeridade e vamos usar ela para decidir com a maior justiça possível. Vamos observar estritamente na forma da lei. A lei tem o seu tempo, prevê prazos e vamos cumpri-los”, afirmou.

“Se não houver impugnação, há resolução do TSE no sentido de que pode haver o exame de ofício. Será um indeferimento de ofício devido à compreensão de que não estão presentes as condições de elegibilidade ou alguma causa de inelegibilidade. Estou falando em tese”, afirmou Rosa.

Segundo a Lei da Ficha Limpa, serão considerados inelegíveis políticos considerados culpados por decisão de órgão colegiado – como é o caso do petista, que foi julgado pelo TRF4 e está preso em Curitiba. Condenados, no entanto, podem requerer o registro da candidatura porque compete à Justiça Eleitoral impugná-la ou não. O prazo final para o TSE tomar a decisão é 17 de setembro.

O PT VAI PERDER O TEMPO DE TV, CASO A SEITA INSISTA NA CANDIDATURA DE UM CRIMINOSO



Segundo a colunista Mônica Bergamo, da Folha, a novela envolvendo a insistência de Lula em impor seu nome como candidato à Presidência pelo PT pode custar caro ao partido. A jornalista publicou em sua coluna desta quarta-feira, 15, que "O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pode cassar o tempo de TV do PT, previsto para ir ao ar a partir do dia 31, até que o partido indique o substituto de Lula caso ele seja impugnado nessa data. A tese, no entanto, divide a corte"

Neste momento, o PT já está fora dos debates e sabatinas na TV e outros meios de comunicação por conta da indefinição sobre quem é de fato o candidato à Presidência pela inusitada chapa "triplex" anunciada pelo partido e composta pelo ex-presidente Lula, que se encontra preso em Curitiba, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, como vice, e Manuela d'Ávila, do PCdoB, como vice de qualquer jeito. As emissoras temer que os demais candidatos se recusem a participar de debates com um vice ou candidato indefinido. Há ainda o receio de abrir um precedente para que os presidenciáveis enviem seus vices para os debates e sabatinas, no lugar de comparecerem eles mesmos.

Segundo a colunista da Folha, "Um dos ministros ouvidos pela coluna afirma que apenas as legendas que têm candidato a presidente podem dispor de tempo para fazer propaganda eleitoral. Se o PT, depois de uma sentença impedindo Lula, recorrer e insistir com o nome dele, deve ficar fora do ar até oficializar o plano B. A insistência da legenda, diz o magistrado, não pode “virar fraude”.

Mônica Bergamo informa ainda que os advogados do PT "temem que o TSE casse o programa —o que obrigaria Lula a jogar logo a toalha e a sacramentar o substituto. A TV é considerada essencial para que o partido tenha competitividade eleitoral". - iImprensa Viva - 

A CHAPA DOS SONHOS ANA AMÉLIA/ALCKMIN VAI CONTRATAR MILHÕES DE DESEMPREGADOS PARA ALAVANCAR A CONSTRUÇÃO CIVIL


O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, defendeu nesta terça-feira, estimular o setor de construção civil como forma de criar empregos em larga escala. Segundo o tucano, o Brasil precisa de obras em infraestrutura e saneamento básico para ajudar a diminuir o número de desempregados no País.

"Precisamos de obra, infraestrutura, saneamento básico. O crescimento na construção civil cria uma barbaridade de empregos", disse o tucano em sabatina promovida pela União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (UNECS), em Brasília.

No evento, Alckmin foi apresentado a uma faixa de alguns metros que representava a burocracia para abrir e fechar uma empresa no País. Diante disso, prometeu fazer um mutirão para simplificar e desburocratizar essas exigências. "A UNECS já está convocada para um mutirão pela simplificação e desburocratização", afirmou. Ele aproveitou para defender que o Estado não deve ser empresário, mas apenas planejador e fiscalizador.

Na área de segurança, Alckmin foi questionado sobre a situação nas fronteiras e defendeu a criação de uma Guarda Nacional. "Vou criar uma Guarda Nacional. País não pode ficar emprestando policial de um estado para o outro", disse.

O tucano também voltou a falar sobre a necessidade da aprovação de reformas. Ele afirmou que, para isso, é preciso ter maioria no Congresso Nacional. "Uma coisa é intenção, outra é aprovação", disse.

MST COBRA R$ 250 MIL DO PT PARA APOIAR O SEBOSO DE CAETÉS - DINHEIRO ANTECIPADO -



Como diz o velho ditado: NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS. Em tempos de vacas magras, órfãos dos repasses generosos dos governos Lula e Dilma, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) parece que não está mais disposto a fazer tudo por AMOR. O grupo que invadiu Brasília esta semana para tentar intimidar os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a aceitar a candidatura do ex-presidente Lula está cobrando por seus serviços.

Segundo o MSN Notícias, "Lideranças da entidade ligada ao campo querem que o PT e centrais sindicais paguem uma dívida de R$ 250 mil com a montagem das tendas para abrigar os 5 mil militantes acampados no entorno do Estádio Mané Garrincha".

Até o começo da tarde desta terça-feira, 14, 130 ônibus já haviam desembarcaram militantes que participarão do ato previsto para esta quarta-feira. O trânsito na região central de Brasília ficou engarrafado. A maioria dos veículos foi alugada por grupos do MST e de cooperativas de pequenos agricultores da região do entorno de Brasília, de Goiás, da Bahia, de São Paulo e de Minas Gerais. 

terça-feira, 14 de agosto de 2018

75 ANOS DE UM CIDADÃO VITORIOSO




Por Altamir Pinheiro

No próximo dia 27 de agosto, em momento solene, o advogado, administrador e pecuarista Márcio Roberto de Barros Quirino será condecorado pela Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco, pela passagem dos seus 75 anos de existência, como também pelos relevantes serviços prestados a Garanhuns, a toda região do Agreste Meridional e porque não dizer ao Estado. A iniciativa é do deputado estadual Aluísio Lessa. Diga-se de passagem uma homenagem mais do que justa a um cidadão que é obcecado pelo trabalho e, como costuma dizer o blogueiro Ronaldo Cesar, um construtor de amigos. Dr. Márcio é um cidadão de uma reputação ilibada que desfruta, no âmbito da sociedade garanhuense, de reconhecida idoneidade moral, que é a qualidade da pessoa íntegra, sem mancha e uma figura sóbria e agradável para se conviver amigavelmente.


O ex-vice-prefeito de Garanhuns é uma criatura que nunca desistiu de seus ideais. É homem de um dinamismo invejável e sempre com um sorriso no rosto e uma vontade de vencer no coração. Venceu na vida pela força da inteligência, do trabalho diuturnamente(ainda hoje é assim!!!), da tenacidade e a coragem de quem é perseverante. Seu apego a verdade dos fatos é algo confortador para àqueles que tem ou teve a honra de conhecê-lo. Possuidor de um caráter exemplar, pois tem mania de avançar quando preciso e recuar quando necessário. Quem o conhece sabe muito bem que   sempre procurou ajustar  a retórica às circunstâncias, sem alterar sua essência. É o tipo de pessoa que preserva a sabida convicção que o equilíbrio sempre está no meio, nunca nos extremos.

Pois bem, amizade não se explica, até porque amizade nem sempre é pensar do mesmo jeito. Por isso, amizade não se explica, ela simplesmente existe!!! Há mais de duas dezenas de anos que eu tenho a honra de preservar uma amizade sadia e duradoura com o casal Márcio Quirino e esposa. Não é  que custa caro. Mas, não tem preço em um  mundo tão agitado hoje em dia repleto de pessoas oportunistas levianas e fúteis, você conservar amizades verdadeiras que a vida nos deu para caminhar conosco ao longo da nossa jornada espiritual, extrapolando os limites do tempo, continuando quando e onde Deus assim o permitir.


Aprendemos que,  com o avançar da vida  a gente deve estar sempre olhando para o retrovisor. O que ficou para trás, pelo qual nos espelhamos para o tempo do presente e do futuro, é o tempo de reconhecimento. Coisas boas o tempo não destrói. Não é à toa que o  tempo deixa perguntas, mostra respostas, esclarece dúvidas, mas acima de tudo, o tempo traz verdades. E essas verdades, quando nos tocam profundamente, a gente tem por obrigação compartilhar através de amizade verdadeira que encontramos na sinceridade, afinidade e principalmente na simplicidade. É deveras interessante e satisfatória selar amizade com um ser humano grandioso como é o caso do homenageado Márcio Quirino nos seus 75 anos muito bem vividos.

No seio familiar, juntamente com os seus, o casal  Barros Quirino/Alves de Lima demonstra ser bem sucedido, feliz e de bem com a vida. É um casal modelo, de vida simples, mas de uma convivência respeitosa, pois os relacionamentos saudáveis não acontecem de forma mágica. É necessário respeito mútuo e reconhecer que as pessoas são únicas e diferentes. São essas diferenças que as tornam especiais. Nas realizações pessoais e profissionais de cada um de seus filhos, verifica-se que cumpriu  a tarefa de transmitir-lhes seus próprios valores. E assim é a vida familiar do otimista Dr. Márcio, como costumamos chamá-lo. 

Prezado Márcio da Celpe, eu sou daquele tipo de pessoa que, posso não falar tudo o que queria ou gostaria, mas pelo menos só falo o que quero. Por isso lhe acho um cara arretado!!! Você é primeira, sem segunda...  Para mim é uma honra  tê-lo como amigo!!! Finalmente, todos nós sabemos que o tempo passa, as circunstâncias se alteram, mas mesmo assim o tempo é senhor da razão e a lei do retorno também. Portanto, essa homenagem que você receberá na Assembleia Legislativa  é mais que merecida. Parabéns, cara!!!

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

A CHAPA DOS SONHOS DIVULGA PLANO DE GOVERNO COM 15 PÁGINAS E 45 PROPOSTAS


O BRASIL DA INDIGNAÇÃO; O BRASIL DA SOLIDARIEDADE; E O BRASIL DA ESPERANÇA
No arquivo, o candidato divide suas propostas em três eixos: o Brasil da indignação; o Brasil da Solidariedade; e o Brasil da Esperança. Entre as propostas apresentadas no primeiro setor estão a tolerância zero com a corrupção, eliminar o déficit público em dois anos, simplificação do sistema tributário e o combate ao crime organizado e ao tráfico de armas e drogas. 

No eixo “o Brasil da Solidariedade”, o candidato defende que “A redução das desigualdades sociais exigirá um sério comprometimento do governo, para melhorar a qualidade da educação, ampliar o acesso à saúde, combater a violência e promover o respeito às mulheres, idosos e minorias.” Algumas das propostas de Alckmin para esse setor são: incrementar o Bolsa Família, garantir que todas as crianças do país estejam plenamente alfabetizadas até 2027 e a adoção de políticas voltadas para os negros e índios, além de estabelecer um pacto nacional voltado para a redução da violência contra idosos, mulheres e o público LGBTI. 

Já a área “o Brasil da Esperança” é voltada para as propostas relacionadas a investimentos, empregos e renda. Segundo o documento, “Fazer o Brasil voltar a crescer é vital para o futuro de todos”. Entre as promessas, destacam-se o investimento nas regiões Norte e Nordeste do país, abertura do comércio exterior para que ele possa representar 50% do PIB brasileiro e dar prioridade aos investimentos em infraestrutura através de parcerias com o setor privado. 

Segundo a assessoria de imprensa do PSDB, o documento divulgado trata-se apenas de um plano resumido devido ao registro da candidatura. O programa detalhado será apresentado na próxima semana. Em 2006, quando participou da disputa ao Planalto, o plano de governo apresentado por Alckmin possuía 170 páginas. - Fonte: Blog do Welbi -

QUEM DEU O GOLPE EM DILMA FOI LULA...



O presidente Michel Temer pagou um preço muito alto pelo que setores da imprensa e da esquerda brasileira classificam como uma 'traição' contra a ex-presidente Dilma Rousseff. Massacrado nas Redes Sociais, nos meios de comunicação e por setores do Judiciário e Ministério Público Federal, Temer foi acusado usar sua influência no Congresso e por contar com a colaboração de gente como o ex-deputado Eduardo Cunha para 'puxar' o tapete de Dilma.

O problema é que nenhum dos detratores do presidente menciona o fato de que, caso nenhuma providência fosse tomada naquele período, o Brasil mergulharia ainda mais na maior recessão de sua história. Com Dilma, o país já havia sofrido a maior retração do PIB em 120 anos, mais de 100 mil empresas já haviam fechado as portas, as projeções apontavam para demissões em massa nos anos seguintes com a fuga de investimentos e os constantes rebaixamentos do Brasil pelas agências de classificação de risco.

Os detratores de Temer também não mencionam que ele não teria conseguido remover Dilma e o PT do poder sem o descontentamento generalizado da sociedade com os governos petistas. A população havia tomado as ruas pedindo a queda de Dilma logo nos primeiros meses de seu segundo mandato, em 2014, após ter sido constatado que a petista praticou o maior estelionato eleitoral da história. Dilma, orientada pelos marqueteiros João Santana, Monica Moura e Lula, mentiu descaradamente durante a campanha eleitoral, ocultou o rombo nas contas públicas, prometeu retomar investimentos em educação, saúde e outras áreas críticas, mas o que fez, logo que assumiu seu segundo mandato, foi cortar investimentos.

Sem o respaldo popular, a despeito do descontentamento da elite de servidores, representantes da esquerda e meios de comunicação, o Congresso não teria apoiado a inciativa de Temer de livrar o Brasil do PT. Da mesma forma, os parlamentares não teriam aprovado reformas importantes, como as da Educação, imposição de teto dos gastos públicos e a reforma na legislação trabalhista, que sepultou o famigerado imposto sindical obrigatório. Mesmo com o respaldo popular, é fato ainda que o Congresso não teria embarcado na aventura de livrar o Brasil do PT de Lula e Dilma se não pudesse contar com a liderança de um político responsável, até então, livre de qualquer embaraço com a Justiça ao longo de uma carreira política de mais de 40 anos.

Logo no primeiro ano de governo, Temer conseguiu reduzir as taxas de inflação e juros para os menores índices já registrados na história recente do país. Os detratores de seu governo alegam que a inflação, na casa de 14%, caiu por causa da recessão, o que é uma grande mentira. A recessão teve início em 2013 e se agravou nos três anos seguintes, com a inflação acima da casa dos dois dígitos.

Até certo ponto, as coisas estavam indo bem com a economia do país e o compromisso de Temer de conduzir o processo democrático do país até as eleições de outubro estava sendo levado a contento. Os problemas começaram quando o presidente decidiu avançar sobre privilégios da elite de servidores, sobretudo contra os altos benefícios dos representantes desta elite no INSS. Ao propor a reforma da Previdência, Temer se tornou alvo de operações orquestradas por setores do Judiciário, Polícia Federal e Ministério Público Federal. As manobras capitaneadas pelo ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em conluio com os donos do Grupo JBS, que estariam prestes a serem presos, e meios de comunicação, Janot e seu ex-braço direito Marcelo Miller comandaram a operação forjada para que Joesley Batista gravasse Temer.

A manobra da gravação, que tinha como objetivo captar conversas comprometedoras entre Temer e Joesley, fracassou. O dono da JBS, como se viu nas gravações, não possuía qualquer intimidade para falar com o presidente abertamente sobre propina, cobrar favores ou mesmo ameaçá-lo. Joesley se esforçou para arrancar de Temer ao menos uma fala que o comprometesse, mas saiu de lá frustrado. Mas a ausência de uma fala incontestavelmente comprometedora não impediu Janot e seus associados, inclusive alguns meios de comunicação, de tentar levar a cabo o projeto de derrubar Temer.

A iniciativa de derrubar o governo fracassou, mas a suposta sabotagem, considerada uma das conspirações mais vergonhosas da história da República, ajudou a mergulhar o Brasil novamente na crise, enquanto muitos espertinhos faturaram bilhões com o caos que se instalou no país.

No computo geral, o Brasil lucrou bem mais do que perdeu com a iniciativa de Temer em remover o PT do poder. O presidente não interferiu na Lava Jato e foi justamente durante seu governo que o MDB, seu partido, teve vários alvos presos. Por outro lado, ninguém sabe se Lula estaria preso hoje, caso Dilma ainda estivesse no poder. Com Temer, Lula está na cadeia e o eleitor irá às urnas em outubro para escolher, democraticamente, o nove presidente da República.

Em 2019, setores da Polícia Federal, do Judiciário e do MPF terão a oportunidade de provar que estavam certos sobre a campanha massiva para desestabilizar o governo Temer. Seus detratores terão a partir de então, provar que agiram sem o viés ideológico ao deliberar as constantes denúncias e prorrogações de prazos para investigações contra o primeiro presidente na história do Brasil que teve seus sigilos fiscais e bancários quebrados por determinação de um ministro do STF.

Com o fim do foro privilegiado de Temer em 2019, apenas uma parte desta história poderá sair desmoralizada perante a opinião pública, O próprio Temer ou os setores da Polícia Federal, do Judiciário, do MPF e meios de comunicação que apostaram na implantação do caos que tantos prejuízos causaram à nação. - Imprensa Viva - 

PITACO DO BLOG CHUMBO GROSSO: - Eu tenho uma tese que sempre vem martelando em minha cabeça há tempos e eu nunca ou ainda abri mão dela. POIS BEM!!! Como se sabe, o Lula é um ser tão abjeto, tão repelente e asqueroso que há quem diga que, por baixo do pano foi o Lula que deu o golpe na Dilma, SENÃO VEJAMOS: não se tem mais dúvida que caso tenha havido golpe em 2016, este foi dado pelo maquiavélico, ardiloso e traiçoeiro Lula, pois o   único Golpe dado naquele ano foi orquestrado por ele para tirar a Dilma do poder.

ELE SABIA QUE SE ELA CONTINUASSE PRESIDENTE, NÃO EXISTIRIA 2018 PARA O PT. Ele armou tudo, com Dona Marisa,  o Lewandowski, e o Renan Calheiros tanto que este o apoia neste ano, incondicionalmente. O Eduardo Cunha acabou colaborando indiretamente, quando a estúpida da Dilma resolveu ferrar com ele o que foi o necessário para a abertura do processo no Congresso. Mas,  tudo indica(eu tenho quase certeza) que foi orquestrado pelo Lula. Como o Brasil é o paraíso dos blogs sujos, dos repórteres das notícias prontas à lá Rede Globo e que não investigam nada, o assunto continua nas sombras.

AS ÚLTIMAS ARTIMANHAS DE UMA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA..

LULA E O CANDIDATO REAL – Haddad, ao microfone, na convenção do PT: a tática é esticar os prazos até o limite 
O ex-presidente Lula está preso há pouco mais de 100 dias. Condenado por corrupção e lavagem de dinheiro em segunda instância, também se encontra enquadrado na Lei da Ficha Limpa, que foi sancionada por ele mesmo em 2010, depois de aprovada com os votos dos parlamentares petistas. Apesar dessa dupla restrição, de presidiário e ficha-suja, o PT anunciou o nome de Lula como candidato do partido à Presidência da República, com o ex-­prefeito de São Paulo Fernando Haddad como vice. A decisão, que representa um desafio à lei, tem como objetivo impedir a dispersão do eleitorado de Lula e sua migração para outros concorrentes, o que dificultaria a transferência de votos do ex-presidente para Haddad. Pode-­se tentar explicar isso como uma ousada e legítima estratégia eleitoral. Mas não é só isso.
Líder nas pesquisas, Lula pretende arrastar a decretação definitiva de sua inelegibilidade, com recursos e chicanas jurídicas, para até 17 de setembro. Se esse objetivo for alcançado, a Justiça Eleitoral não terá tempo hábil para tirar sua fotografia da urna eletrônica. Parece um capricho pessoal, mas é uma artimanha eleitoral. Com a foto de Lula na urna, mesmo não sendo candidato, o PT acredita que conseguirá captar os votos dos incautos, dos menos informados e também daquele eleitorado apaixonado pela figura do ex-presidente que não hesitaria em confirmar o voto ao ser confrontado com a imagem dele, mas sem saber que estaria elegendo um fantasma. É este o plano extraordinário de Lula e do PT: esticar a corda e, quem sabe, ludibriar o eleitor.
O PLANO B QUE VIROU A – Haddad, com Manuela D’Ávila, do PCdoB, que deverá ser sua vice: registro na última hora

Para materializar o plano, primeiro é preciso fazer com que os eleitores acreditem que Lula é realmente “candidato” — uma série de ações políticas nessa direção já está sendo posta em prática. E, para obter êxito, o que significa manter a fotografia de Lula na urna eletrônica, o partido aposta nas chicanas jurídicas. Desde o domingo 5, a partir da convenção do PT, “candidato” e partido passaram a seguir um guia criado para impulsionar a candidatura de Lula. Abaixo, um almanaque dos ardis do petista para chegar lá.
Chapa-fantasma: na data-limite prevista na legislação, 5 de agosto, o PT anunciou que Lula será o candidato do partido à Presidência da República, com Haddad de vice. Na prática, os petistas sabem que Haddad será o cabeça da chapa, com Manuela D’Ávila (PCdoB) no posto de vice. Com o jogo de cena, tenta-se facilitar a transferência de votos de Lula para o seu substituto.
Recuo no STF: a pedido da defesa de Lula, o tribunal arquivou a análise de um recurso que, apresentado para garantir a liberdade do ex-presidente, poderia resultar na declaração imediata de sua inelegibilidade, tudo o que o PT quer evitar no momento.
Candidato-fantasma: Lula pediu à Justiça autorização para participar de entrevistas, sabatinas e debates. Como o pedido foi recusado, solicitou às emissoras de TV que montem um púlpito com o seu nome no cenário dos programas. O objetivo é mantê-lo vivo no imaginário do eleitorado.
Esgotamento de prazo: para ganhar tempo, o PT só formalizará a chapa com a candidatura de Lula junto ao Tribunal Superior Eleitoral no dia 15 de agosto, que é a data-limite prevista em lei. Depois disso, os partidos e o Ministério Público terão cinco dias para pedir a impugnação de seu nome.
Uso das datas-limite: com a mesma estratégia de empurrar os prazos, o PT pretende lidar com o processo de impugnação da chapa de Lula sempre nas datas-limite. Para apresentar sua defesa contra o provável pedido de impugnação da candidatura, usará o prazo de sete dias. Depois, caso saia uma decisão desfavorável, o PT vai apresentar um recurso só depois de três dias.
Politizar o processo: Lula escalou uma equipe de advogados eleitorais para reunir jurisprudência favorável a ele em todas as etapas de recursos no TSE. Cada movimento processual deve ser transformado em fato político para reforçar a ideia de que o ex-presidente é perseguido pela Justiça. A palavra de ordem é manter pressão permanente sobre os juízes.
Chicanas no STF: sacramentada a inelegibilidade de Lula pelo plenário do TSE, sua defesa vai recorrer ao Supremo. O STF, no entanto, já tem posição consolidada em favor da Lei da Ficha Limpa e tende a referendar a inelegibilidade.
Pedidos de liberdade: a defesa de Lula apresentará recursos ao Supremo e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pedindo a suspensão de sua condenação em segunda instância, o que o retiraria do âmbito da Lei da Ficha Limpa e lhe garantiria a liberdade e o direito de concorrer.
Com esse almanaque de movimentos jurídicos, Lula e o PT pretendem fazer o máximo para manter o nome do ex-presidente vivo no imaginário do eleitor. Isso ajuda a preservar sua capacidade de transferência de voto – que não é nada desprezível – e reforça a ideia da perseguição. O PT cogitou até apresentar um holograma de Lula na convenção partidária, mas acabou desistindo da ideia. A determinação partidária, no entanto, é explorar sempre que possível vídeos e áudios do petista, especialmente aqueles gravados às vésperas de sua prisão.
LULISMO – Manifestante pró-Lula, na Praça dos Três Poderes, em Brasília: tudo para manter vivo o nome do ex-presidente
Pela lei e pela jurisprudência, não há dúvida de que Lula será proibido de concorrer, e mesmo o PT já deu mostras de que sabe disso, tanto que anunciou Haddad como substituto na cabeça de chapa. Na convenção do partido, petistas falavam abertamente no “candidato do Lula”, e não mais em “Lula candidato”. Formalizado às 23h58, apenas dois minutos antes do fim do prazo legal, o acordo entre PT e PCdoB foi embalado num misto de chiste e provocação. Nas redes sociais, Lula, Haddad e Manuela foram festejados pelos apoiadores como “o verdadeiro tríplex” – em referência ao notório tríplex no Guarujá que rendeu ao ex-presidente a condenação à cadeia.
Economista, advogado e professor, Fernando Haddad é considerado um político com potencial para disputar a Presidência desde a sua passagem pelo Ministério da Educação, quando programas oficiais, como o ProUni, facilitaram o ingresso massivo de jovens carentes em universidades. Lula, então no Palácio do Planalto, acolheu Haddad e o ajudou na eleição para a prefeitura de São Paulo, em 2012. Apesar de ter o padrinho mais forte dentro do PT, Haddad enfrenta resistência até hoje entre certos setores importantes do petismo. A razão é que ele não reproduz cegamente a cartilha partidária, não aposta na radicalização e transita bem entre grupos que estão rompidos com o partido. Parte do PT torce o nariz para Haddad porque o ex-prefeito preserva certa luz própria. Quando estava na prefeitura, ele chegou a tecer elogios ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), “um intelectual que teve bons livros que li e que ajudaram na minha formação”. Em 2016, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, disse que “golpe era uma palavra um pouco dura” para definir o impeachment de Dilma Rousseff.
Aquilo que certos petistas consideram defeito, Lula, que não dá ponto sem nó, acha que são qualidades eleitorais de Haddad. O ex-presidente aposta que seu prestígio pessoal garantirá o candidato do PT no segundo turno. E acredita que, na reta final, Haddad, por sua biografia e pelos bons relacionamentos além das fronteiras petistas, conseguirá dar credibilidade a um discurso mais moderado, rumo ao centro, de construção de pontes. Na convenção partidária, ciente das restrições ao seu nome, Haddad discursou ao gosto da plateia. Afirmou que Lula era vítima de uma perseguição judicial e bateu duro no PSDB e, claro, no governo de Michel Temer. Um dos pilares da estratégia do PT é comparar os dados econômicos dos anos Lula com os da gestão de Temer. O contraste falará por si – e o PT, obviamente, vai pular o desastre econômico de Dilma Rousseff.
A tentativa do PT de prolongar a candidatura-fantasma de Lula enfrentará forte resistência na Justiça Eleitoral. A partir do dia 15, o tribunal será presidido pela ministra Rosa Weber, defensora da Lei da Ficha Limpa, e terá uma composição mais punitivista (veja o quadro na pág. anterior). Os ministros do TSE querem evitar que a foto do ex-presidente esteja na urna no dia da votação, o que representaria a desmoralização da lei e da própria corte. O debate promete ser renhido. Contratado pelo PT, o advogado Luiz Fernando Pereira garimpou os casos de mais de 140 políticos considerados fichas-sujas que conseguiram disputar as eleições municipais de 2016. Os casos servirão para ilustrar a tese de que há precedentes a permitir a candidatura de Lula, embora sejam processos completamente diferentes entre si. Para decretar a inelegibilidade do ex-­presidente o mais rápido possível, gesta-se o seguinte plano: a apresentação de uma consulta ao TSE sobre a legitimidade de um réu denunciado ou condenado concorrer à Presidência. Ao analisá-la, os ministros poderiam, na sequência, rejeitar o pedido de registro da candidatura de Lula.
Depois da rejeição do registro, haveria a apresentação de um pedido cautelar para bani-lo da campanha. O argumento é que a Lei das Eleições deve preservar expectativas legítimas do eleitor, como a de votar em políticos que podem efetivamente ser eleitos, e mitigar o ônus social causado por um processo que não vai dar em nada. Ou seja: a cautelar acabaria com tumultos desnecessários. “A tutela de evidência pode ser aplicada porque é evidente que Lula não pode ser candidato”, disse um ministro do TSE sob a condição de manter sua identidade sob reserva. A Lei da Ficha Limpa tem uma história irônica. Lula e o PT, que hoje querem contorná-la, foram entusiastas da medida na época de sua aprovação. Já o ministro do STF Gilmar Mendes se revoltou contra o texto e afirmou, na época, que fora concebido sob medida para beneficiar o PT e eliminar seus adversários do processo eleitoral.
A denúncia de Gilmar Mendes baseava-se em um caso concreto. O ex-governador Joaquim Roriz, então do PSC, era adversário figadal do PT e concorria ao governo do Distrito Federal com o petista Agnelo Queiroz. Como Roriz já tinha condenação em segunda instância, os partidos de esquerda pediram a impugnação de sua candidatura com base na então novata Lei da Ficha Limpa. Roriz recorreu ao STF, e Gilmar Mendes, ao analisar o caso, viu ali o espectro de um fantasma. Disse que a Lei da Ficha Limpa era um instrumento do PT para aniquilar adversários. Mas há mais uma ironia. Roriz, antecipando sua derrota no STF, retirou a candidatura e colocou no lugar a de sua mulher, Weslian. Só que a Justiça Eleitoral não teve tempo de trocar a foto na urna eletrônica. Ficou a foto de Roriz, mas a candidata de verdade era Weslian. Agora, oito anos depois, os papéis estão invertidos. Gilmar Mendes deve ter descoberto que a Ficha Limpa não existe só para adversários do PT, e Lula está querendo dar uma de Joaquim Roriz e manter sua foto na urna eletrônica. Aviso: Roriz perdeu a eleição apesar da artimanha. - Fonte: Revista Veja -