sábado, 22 de abril de 2017

MÉDICOS CUBANOS

 
Alamir Longo
Não pensem em correntes. Em algemas. Em porões fétidos. Em gente suja e maltrapilha. Estes são os escravos normalmente libertados das pequenas confecções das grandes cidades, vindos de países miseráveis.
Agora pense em pessoas vestidas de branco. Com diplomas universitários. Que exibem sorrisos simpáticos e uma grande alegria em servir o próximo, como se estivessem em uma missão humanitária. Estes são os médicos escravos cubanos que o Brasil traficou, cometendo toda a sorte de crimes hediondos contra os direitos humanos, que só republiquetas totalitárias, a exemplo da Venezuela, ousaram cometer.
E vamos aqui deixar ideologias de lado. E até mesmo as discutíveis competências profissionais. Vamos ser civilizados e falar apenas de pessoas, de seres humanos, de gente.
O Brasil democrático é signatário de uma dezena de tratados internacionais que protegem os trabalhadores. No entanto, o Governo do PT firmou um convênio com Cuba, um país que está traficando pessoas para fins econômicos. Cuba está vendendo médicos. Cuba utiliza de coerção, que é crime, para que estes escravos de branco sejam enviados, sem escolha, para onde o governo decidir. Isto é crime internacional. Hediondo. Que nivela o Brasil com as piores ditaduras.
E não venham colocar a Organização Pan Americana de Saúde como escudo protetor destes crimes contra a Humanidade. É uma entidade sabidamente aparelhada por socialistas, mas que, ao que parece, pela primeira vez assume o papel de “GATO”, o operador, o intermediário, aquele que aproxima as partes, que fecha o negócio, que “LAVA” as mãos dos criminosos que agem nas duas pontas. Não há como esconder que o Governo do PT está pagando a Ditadura de Cuba para receber mão de obra em condições análogas à escravidão, como veremos neste post.
O trabalhador estrangeiro tem, no Brasil, os mesmos direitos de um trabalhador brasileiro. Tem os mesmos ônus e os mesmos bônus. Não é o que acontece neste convênio que configura um verdadeiro tráfico em massa de pessoas de um país para outro. Os escravos cubanos não pagarão Imposto de Renda e INSS. Sobre um salário de R$ 10 mil, deveriam reter mais de R$ 2.700. Pagariam em torno de R$ 400 de INSS. Mas também teriam direito ao FGTS, ao aviso prévio, às férias, ao décimo terceiro salário. Não é o que acontece.
O escravo cubano não recebe o seu salário. Ele é remetido para um governo de país. É como se este país tivesse vendido laranjas. Charutos. Rum. Ou qualquer commodities. A única coisa que o trabalhador recebe é uma ajuda de custo para tão somente sobreviver no país pois, em condição análoga à escravidão, este médico cubano receberá alojamento e comida das prefeituras municipais. Trabalhará, basicamente, por cama, comida e sem nenhum direito trabalhista.
Outro crime do qual o Governo do PT é mentor, é idealizador, é fomentador, é financiador, é concordar com as práticas de coerção exercida por Cuba quando VENDE os seus médicos escravos. O passaporte é retido pela Embaixada de Cuba no Brasil. A família fica em Cuba, sem poder sair do país. O escravo cubano não pode mudar de emprego, pois se o fizer a sua família sofre perseguição. Existe ameaça. Existe abuso de autoridade. Existe abuso de poder econômico. Existe retenção de documento para impedir a livre locomoção. Existe lesão ao Fisco. Sonegação. E, por conseguinte, sendo dinheiro originário de crimes, remessa ilegal de divisas do Governo do PT para a Ditadura de Cuba.
Este convênio que o Governo do PT está fazendo com Cuba não resiste a uma fiscalização do Ministério do Trabalho e a uma auditoria do Ministério Público. São tantos os crimes cometidos contra a Humanidade e contra os Direitos Humanos que envergonham a todos os brasileiros.
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, QUE FOI(GRIFO NOSSO)candidato ao governo de São Paulo, deveria ir a ferros junto com os bandidos mensaleiros do seu partido. A ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário de então, está em silêncio obsequioso.
A partir do momento em que 4.000 cubanos botaram o pé no solo brasileiro, nosso país se transforma num campo de concentração e numa imensa prisão para escravos políticos.
A nossa Constituição será rasgada, pois:
Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
(…) III ? ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
Da mesma forma, o Governo do PT está jogando no lixo o Decreto nº 5.948, de 26 de Outubro de 2006, que trata da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, que tem definições fundamentais sobre o tema:
Art. 2°. § 4o A intermediação, promoção ou facilitação do recrutamento, do transporte, da transferência, do alojamento ou do acolhimento de pessoas para fins de exploração também configura tráfico de pessoas.
Art. 2°. § 5° O tráfico interno de pessoas é aquele realizado dentro de um mesmo Estado-membro da Federação, ou de um Estado-membro para outro, dentro do território nacional.
Art. 2o. § 6° O tráfico internacional de pessoas é aquele realizado entre Estados distintos.
Art. 2° § 7o O consentimento dado pela vítima é irrelevante para a configuração do tráfico de pessoas.
Ou seja: o que determina se existe a escravidão não é o depoimento do escravo, pressionado por dívidas, sem documentos ou tendo a integridade da sua família ameaçada, mas sim o que a sua situação configura, mediante fiscalização.
Com a importação em massa dos médicos escravos cubanos, os acordos internacionais firmados pelo Brasil contra a escravidão serão derrogados. Não seremos mais uma democracia.
Se alguém tem alguma dúvida sobre isso, leia o MANUAL DE COMBATE AO TRABALHO EM CONDIÇÕES ANÁLOGAS ÀS DE ESCRAVO, publicado pelo Ministério do Trabalho.
E sinta vergonha, talvez um pouco de medo, de ser brasileiro.
Eu desafio o Governo do PT a exigir que o médico cubano tenha em mãos o seu passaporte.
Eu desafio o Governo do PT a exigir que o médico cubano tenha uma Carteira de Trabalho.
Eu desafio o Governo do PT a depositar o salário do médico cubano em uma conta pessoal, que lhe garanta livre movimentação.
Eu desafio o Governo do PT a garantir todos os direitos trabalhistas ao médico cubano.
Eu desafio o Governo do PT a cumprir a Lei, a Constituição e os Tratados Internacionais.”
——
A prisão não são as grades, e a liberdade não é a rua;
existem homens presos na rua e livres na prisão.
É uma questão de consciência.” (Mahatma Ghandi) - Este texto foi gentilmente roubado lá do Blog da Brdta Fubana -

sexta-feira, 21 de abril de 2017

ARROMBOU A TABACA DE XOLINHA ! ! !




O empresário Aldemário Pinheiro Filho, vulgo Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, prestou depoimento nesta quinta (20) ao juiz federal Sérgio Moro, na ação penal do triplex do Guarujá, e confirmou que o imóvel é mesmo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula também é réu neste processo.

Léo Pinheiro também relatou ter recbido ordens expressas de Lula, em maio de 2014, para destruir povas que pudessem incriminá-lo. “Lula me orientou a destruir documentos durante a Lava Jato”, disse em depoimento ao juiz Sérgio Moro. Pessoas próximas ao empreiteiro já haviam antecipado que Pinheiro iria ‘esclarecer tudo’ sobre o imóvel.

A Polícia Federal e a Procuradoria Geral da República sustentam que o petista recebeu propinas da OAS no montante de R$ 3,7 milhões.

Segundo a acusação, uma parte do montante foi investido em obras no apartamento do Condomínio Solaris, no Guarujá.
O restante, R$ 1 milhão, foi usado para armazenamento de pertences que Lula ganhou quando estava na Presidência da República.

De acordo com o Ministério Público Federal, a empreiteira OAS bancou tais despesas por ter sido beneficiada em contratos com a Petrobras. - Texto gentilmente roubado lá do Blog da Besta Fubana - 

quinta-feira, 20 de abril de 2017

DILMA SERÁ PRESA ANTES DA ELEIÇÃO DE 2018

A ex-presidente Dilma Rousseff reagiu da pior maneira possível ao ser informada que os inquéritos abertos contra ela pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, VÃO PARAR NA MESA DO JUIZ SÉRGIO MORO EM TEMPO RECORDE. A petista ficou irritadíssima ao saber que não haverá nem tempo para buscar foro privilegiado nas eleições de 2018, pois a expectativa é que antes disso ela já tenha sido condenada e impossibilitada de concorrer a cargos eletivos pela Lei da Ficha Limpa.

Interlocutores tentaram minimizar o impacto da notícia, afirmando que Dilma não corria o risco de prisão imediata e que poderá recorrer de eventuais sentenças. Mas a tentativa de confortá-la acabou irritando ainda mais a petista, que reagiu explosivamente a notícia de que havia caído definitivamente na Lava Jato.

"A DILMA SEMPRE FOI GROSSA COM SEUS AUXILIARES EM DIVERSAS CIRCUNSTÂNCIAS, MAS DESTA VEZ ACHO QUE ELA EXAGEROU NA DOSE", afirmou o contato no Brasil de um dos assessores da ex-presidente que viajou com ela para os Estados Unidos no início do mês. A fonte não quis fornecer maiores detalhes sobre a reação explosiva de Dilma.

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, deve encaminhar nos próximos dias todos os inquéritos contra pessoas sem foro privilegiado para a primeira instância. No caso da ex-presidente Dilma, seu inquérito será remetido para a 13ª Vara Federal de Curitiba, aos cuidados do juiz Sérgio Moro. Caberá ao magistrado dar andamento aos inquéritos oriundos da delação dos 78 executivos da Odebrecht. A EX-PRESIDENTE DILMA ESTÁ IMPLICADA EM CRIMES COMO LAVAGEM DE DINHEIRO, ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA E FALSIDADE IDEOLÓGICA ELEITORAL. – Fonte: Imprensa Viva -


SABE O QUE LULA DISSE A SÍLVIO SANTOS: QUEM QUER DINHEIRO?!?!?!


AO VENDER UM BANCO FALIDO A LULA, SÍLVIO SANTOS ESCAPOU FEDENDO!!!

Ao comprar o Panamericano, a Caixa pode ter salvado a pele do seu dono, Silvio Santos, mas salvou também dirigentes de fundos de pensão com milhões aplicados no banco falido. Por isso, a Operação Conclave, da Polícia Federal, desta quarta (19), tem conexão com a Greenfield, que devassa fundos de pensão como Petros, da Petrobras, com R$340 milhões aplicados no Panamericano na época da compra. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Só para citar esse caso, o fundo de pensão do Petros era chefiado por Wagner Pinheiro, conhecido por suas profundas ligações ao PT. Ao comprar o banco Panamericano, salvando dirigentes de fundos ligados ao PT, a Caixa-Par pagou R$740 milhões pelo mico. As suspeitas de corrupção na negociata Caixa-Panamericano são tão sólidas que a Justiça bloqueou R$1,5 bilhão dos suspeitos.


quarta-feira, 19 de abril de 2017

ODEBRECHT EXECUTOU REFORMA NO SÍTIO DE LULA




DELATOR DIZ QUE AJUDOU ADVOGADO DE LULA A OCULTAR QUE ODEBRECHT EXECUTOU REFORMA DE SÍTIO EM ATIBAIA E DIZ TAMBÉM  QUE COMPROU COFRE PARA GUARDAR DINHEIRO DA OBRA NA PROPRIEDADE FREQUENTADA PELA FAMÍLIA DE LULA; INSTITUTO LULA AFIRMOU QUE "O SÍTIO NÃO É DE PROPRIEDADE DO EX-PRESIDENTE".


Responsável pela obra do sítio de Atibaia (SP) frequentado pela família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o engenheiro civil Emyr Costa contou à Procuradoria Geral da República (PGR) que ajudou a elaborar um contrato falso para esconder que a Odebrecht havia executado a reforma da propriedade rural. Costa relatou ainda que comprou um cofre para guardar R$ 500 mil repassados, em espécie, pela empreiteira para executar a obra.

O sítio está registrado em nome dos empresários Jonas Suassuna e Fernando Bittar, sócios do filho do ex-presidente, Fábio Luis Lula da Silva. No entanto, os investigadores da Lava Jato dizem que há indícios de que a propriedade pertenceria ao ex-presidente da República e de que a escritura apenas oculta o nome do verdadeiro dono. Em janeiro, a Polícia Federal pediu ao Ministério Público Federal para prorrogar o prazo de encerramento do inquérito que investiga o caso. O Instituto Lula afirmou que "o sítio não é de propriedade do ex-presidente".  "SEUS DONOS JÁ PROVARAM TANTO A PROPRIEDADE QUANTO A ORIGEM LÍCITA DOS RECURSOS QUE UTILIZARAM NA COMPRA DO SÍTIO", diz a nota.

Segundo Costa – que atuava como engenheiro da Odebrecht Ambiental –, ele usou o dinheiro para pagar, semanalmente, a equipe de engenheiros e operários e os materiais de construção da reforma do sítio. Emyr Costa contou detalhes da obra em depoimento de delação premiada com o Ministério Público. Ele é um dos 78 executivos e ex-dirigentes da empreiteira que fizeram acordo com a PGR para relatar irregularidades cometidas pela construtora em troca de eventual redução de pena. Em um dos trechos do depoimento de 32 minutos à PGR, O ENGENHEIRO EXPLICOU AOS PROCURADORES COMO AUXILIOU O ADVOGADO ROBERTO TEIXEIRA – AMIGO DO EX-PRESIDENTE – E O EX-DIRIGENTE DA ODEBRECHT ALEXANDRINO ALENCAR A REDIGIR UM CONTRATO FALSO PARA MAQUIAR O ENVOLVIMENTO DA CONSTRUTORA NA REFORMA DO SÍTIO. Conforme o delator, na reunião com Teixeira e Alexandrino, ele informou que as despesas da obra seriam pagas em dinheiro vivo e que seria subcontratada uma empreiteira menor para executar o serviço.


Em meio à conversa, destacou Costa, Roberto Teixeira sugeriu que o engenheiro procurasse o empreiteiro para elaborar um contrato de prestação de serviços em nome do proprietário que aparece na escritura do imóvel, FERNANDO BITTAR. Diante da proposta do advogado, contou o delator, ele próprio sugeriu que fosse colocado no contrato um valor inferior aos R$ 700 mil que foram gastos na obra. Emyr Costa explicou que decidiram definir que a reforma havia custado R$ 150 mil para que ficasse compatível com a renda de Bittar.  "EU FUI LÁ PARA QUE NÃO APARECESSE QUE FOI FEITO PELA ODEBRECHT EM BENEFÍCIO DE LULA. VAI LÁ E FAZ UM CONTRATO ENTRE BITTAR E CARLOS RODRIGO DO BRATO, QUE TEM UMA CONSTRUTORA E, NESSE MESMO OBJETO, EU DECLAREI: SAUNA, COLOCA UM VALOR ATÉ MAIS BAIXO PARA SER COMPATÍVEL COM A RENDA DO BITTAR", observou Costa. "A GENTE COLOCOU MAIS BAIXO QUE OS 700 MIL [REAIS]. COLOCAMOS 150 MIL E EU FIZ O CONTRATO PESSOALMENTE, MARQUEI UMA REUNIÃO, LEVEI O CONTRATO, PEDI PARA ELE ASSINAR E EMITIR UMA NOTA NO VALOR DO CONTRATO. ELE ME DEVOLVEU E EU E EU VOLTEI UM DIA ANTES PARA O SENHOR ROBERTO TEIXEIRA EU FUI SOZINHO E ME REGISTREI NOVAMENTE NA PORTARIA", complementou.



COFRE


Emyr Costa afirmou que foi destacado para coordenar a obra do sítio no final de 2010 em uma conversa com o executivo Carlos Paschoal, responsável pelas operações da Odebrecht em São Paulo. Segundo o engenheiro, à época ele comandava os projetos de saneamento da construtora entre São Paulo e São Caetano do Sul, município do Grande ABC. Ele explicou à PGR que a Odebrecht entregou a ele R$ 500 MIL EM ESPÉCIE PARA QUE ELE ADMINISTRASSE A REFORMA DO SÍTIO. O delator disse aos procuradores que nunca tinha visto tanto dinheiro vivo. A cifra elevada fez com que ele decidisse COMPRAR UM COFRE PARA GUARDAR O DINHEIRO. Costa destacou que, todas as semanas, SACAVA R$ 100 MIL DO COFRE para entregar à empresa subcontratada para fazer a reforma.

“EU PEGUEI TODA INFORMAÇÃO E MOSTREI PARA CARLOS PASCHOAL E DISSE QUE ERA NECESSÁRIO 500 MIL [REAIS]. ELE ME AUTORIZOU A COMEÇAR O TRABALHO E DISSE QUE IA ENTREGAR O DINHEIRO ATRAVÉS DESSA EQUIPE DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS. ELE PEDIU PARA LIGAR PARA A SENHORA MARIA LÚCIA SOARES. EU NUNCA TINHA FEITO UMA OBRA DESSA NATUREZA E COMPREI UM COFRE. SEMANALMENTE, EU ENTREGAVA R$ 100 MIL. EU RECEBI ESSE DINHEIRO EM ESPÉCIE”, contou o delator.

"[Paschoal] me disse que era para eu destacar um engenheiro de confiança para mandar até o apartamento do Lula e fosse até o sitio de Atibaia fazer umas reformas. Essa reunião foi na construtora", disse Emyr Costa aos procuradores, ressaltando que ouviu de seu chefe que a propriedade também era utilizada por Lula.


REFORMA


O engenheiro contou no depoimento que a reforma do sítio de Atibaia incluiu a construção de uma CASA PARA OS SEGURANÇAS da Presidência da República que atuavam na equipe de Lula, SUÍTES NA CASA PRINCIPAL, DUAS ÁREAS DE DEPÓSITOS PARA ADEGA e QUARTO DE EMPREGADA, SAUNA, CONSERTO DE VAZAMENTO DA PISCINA e CONCLUSÃO DE UM CAMPO DE FUTEBOL.

Dono da Odebrecht, o empresário Emilio Odebrecht afirmou em depoimento, no acordo de delação premiada, que A REFORMA DO SÍTIO DE ATIBAIA CUSTOU À CONSTRUTORA CERCA DE R$ 700 MIL. Emílio afirmou, ainda, que a propriedade sempre foi tratada dentro da empresa como se pertencesse ao ex-presidente da República. Segundo o empresário, FOI A EX-PRIMEIRA-DAMA MARISA LETÍCIA QUEM PEDIU AJUDA PARA CONCLUIR AS OBRAS, que já estavam em andamento no sítio. O pedido, relata Emílio, foi feito em 2010, no último ano do segundo mandato de Lula na Presidência da República.

No ano passado, o instituto já havia se pronunciado sobre o sítio, afirmando que o ex-presidente frequenta o local desde que encerrou o mandato (em 2011); que o sítio pertence a "AMIGOS DA FAMÍLIA"; e que "A TENTATIVA DE ASSOCIÁ-LO A SUPOSTOS ATOS ILÍCITOS TEM O OBJETIVO MAL DISFARÇADO DE MACULAR A IMAGEM DO EX-PRESIDENTE". - Fonte: G1 -


PITACO DO BLOG CHUMBO GROSSO: - BANDIDO NÃO DÁ E NEM PASSA RECIBO DO ROUBO... 


O JUIZ EMPURROU ATÉ OS "ZOVO" NO LULA!!!



CONFORME FALOU O MEU PROFESSOR DA BESTA FUBANA BERTO FILHO, O JUIZ SÉRGIO MORO:

Butou sem vaselina no furico do sabidinho.
Butou até os zovos.
Sem vaselina e com a pajaraca enrolada em arame farpado.
Arroxa, dotô!!!
A banda honesta e decente do Brasil agradece do fundo do coração.









terça-feira, 18 de abril de 2017

PALOCCI PLANTAVA VERDE E LULA COLHIA MADURO...


Marcelo Odebrecht criou sistema de “contrapartida”  para se certificar de que seu principal interlocutor no PT antes de 2011, Antônio Palocci, falava de fato em nome de Lula. Ele pedia ao pai, Emílio, para informar a Lula sobre propinas já pagas ao PT, totalizações e valores que só a Odebrecht tinha. Em 2010 pediu que o pai informasse a Lula sobre o total ao PT: R$ 200 milhões. Palocci mencionou o valor numa conversa posterior; era a prova de que seu interlocutor falava em nome de Lula. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Além de Emílio, o ex-executivo Alexandrino Alencar era usado para fazer a “ponte” com Lula, que monitorava o propinoduto. A delação de Marcelo Odebrecht reforçou no Ministério Público Federal que Lula era mesmo o “comandante máximo” ou chefe da quadrilha. Marcelo pediu a Emílio Odebrecht para informar Lula do balanço: em dois anos, foram R$200 milhões em propina paga ao PT. Lula já sabia dos R$200 milhões quando Palocci “jogou verde” para Marcelo, citando R$300 milhões. Marcelo corrigiu, firme: “Foram 200”.

O JUIZ SÉRGIO MORO PASSOU UM PITU NO BOBINHO LULA...


LULA QUIS BANCAR O ESPERTO E SE DEU MAL


Claudio Humberto

O juiz federal Sérgio Moro reagiu à altura a uma manobra protelatória dos advogados de Lula, que apresentou pedido para ouvir 87 testemunhas de defesa. O magistrado deferiu o pedido, até para que o ex-presidente não alegue cerceamento de defesa, mas determinou que ele esteja fisicamente presente em todos os depoimentos. A decisão está publicada no sistema da Justiça Federal do Paraná. Em seu despacho, Moro afirma que “SERÁ EXIGIDA A PRESENÇA DO ACUSADO LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA NAS AUDIÊNCIAS NAS QUAIS SERÃO OUVIDAS AS TESTEMUNHAS ARROLADAS POR SUA PRÓPRIA DEFESA, A FIM PREVENIR A INSISTÊNCIA NA OITIVA DE TESTEMUNHAS IRRELEVANTES, IMPERTINENTES OU QUE PODERIAM SER SUBSTITUÍDAS, SEM PREJUÍZO, POR PROVAS EMPRESTADAS”. Além de Lula, essa ação tem outros sete réus, entre eles o ex-ministro Antônio Palocci, o ex-presidente da Odebrecht Marcelo Bahia Odebrecht, um dos advogados de Lula, Roberto Teixeira, e Glaucos da Costa marques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai. Ação é oriunda da denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que e envolve a compra de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do petista, em São Bernardo do Campo. Segundo os procuradores a ex-primeira-dama Marisa Letícia TENTOU DISSIMULAR a real propriedade do apartamento, forjando e assinado um contrato de locação com Glaucos da Costa marques. A compra do terreno não ocorreu.

 

 

 

 


 

LULA IRÁ 87 VEZES A CURITIBA



O juiz federal Sergio Moro determinou que Luiz Inácio Lula da Silva acompanhe presencialmente os depoimentos das 87 testemunhas que sua defesa listou em um dos três processos em que o ex-presidente é réu na Operação Lava Jato.

O magistrado justifica que a medida foi tomada para "prevenir a insistência na oitiva de testemunhas irrelevantes, impertinentes ou que poderiam ser substituídas, sem prejuízo, por prova emprestadas [de outros processos]".

No despacho, publicado no início da noite desta segunda (17), Moro reclama que "parece bastante exagerado" o número de testemunhas listadas por Lula no processo, entre elas "dois senadores, dois deputados federais, o ministro da fazenda e um ministro do TCU".

Ele diz que é "absolutamente desnecessário" escutar todas as pessoas, porque em outra ação da Lava Jato houve "várias desistências", inclusive durante a própria audiência, além de depoimentos "de caráter eminentemente abonatório ou sem conhecimento específico dos fatos que eram objeto da acusação".

"De todo modo, é o caso, por ora e para evitar alegações de cerceamento de defesa, de deferir o requerido", disse Moro.

"Não obstante, já que este julgador terá que ouvir oitenta e sete testemunhas da defesa de Luiz Inácio Lula da Silva, além de dezenas de outras, embora em menor número arroladas pelos demais acusados, fica consignado que será exigida a presença do acusado Luiz Inácio Lula da Silva nas audiências nas quais serão ouvidas as testemunhas arroladas por sua própria defesa", acrescentou.

O próprio Lula já tem data marcada para ir a Curitiba e depor a Moro: no dia 3 de maio, mas em outra ação.

Procurada, a defesa de Lula disse em nota que a decisão é "mais uma arbitrariedade contra o ex-presidente, pois subverte o devido processo legal, transformando o direito do acusado (de defesa) em obrigação".
"Presente o advogado, responsável pela defesa técnica, a presença do acusado nas audiências para a oitiva de testemunhas deve ser uma faculdade e não uma obrigação", afirmou em nota o advogado Cristiano Zanin Martins.

Segundo Martins, o juiz Sérgio Moro "adota o direito penal do inimigo em relação a Lula" e "pretende, claramente, desqualificar a defesa e manter Lula em cidade diversa da qual ele reside para atrapalhar suas atividades políticas". - Fonte: Folha de S.Paulo - Josá Marques -

PITACO DO BLOG CHUMBO GROSSO: - NO DIA 15 DE SETEMBRO DE 2016, EM DISCURSO, ATREVIDAMENTE, LULA VOMITOU ESSAS PALAVRAS AO BOSTEJAR NO MICROFONE: “PROVEM UMA CORRUPÇÃO MINHA QUE IREI A PÉ ATÉ A DELEGACIA, COMO AS PESSOAS VÃO A PÉ ATÉ APARECIDA DO NORTE PARA PAGAR PECADOS”. DESTRINCHANDO O BOSTEJAR DE LULA AO PÉ DA LETRA, EM BOM PORTUGUÊS, DIGO MELHOR, MATEMATICAMENTE FALANDO À DISTÂNCIA DE SÃO PAULO A CURITIBA É DE 410 KM. POIS BEM!!! 410 X 87 =  35 MIL QUILÔMETROS...  FICA BEM ALI!!!
P.S1.: - Não sei se o meliante vai aguentar o REPUXO, pois o traste já está definhando, só que: o Juiz Sérgio Moro vai fazer dele um picadinho...
P.S2.: - Todo TROMBADINHA  evita ao máximo ficar frente a  frente com  um juiz. imaginem 87 vezes o Garboso Seboso de Caetés  na frente de um leão lambendo os beiços...





segunda-feira, 17 de abril de 2017

PRIMEIRAMENTE, FORA LULA!!!

Ricardo Noblat
Quem foi Marcelo Odebrecht? O mandachuva do país durante o reinado do PT? O chefe de uma sofisticada organização criminosa? Ou o “bobo da corte” afinal preso e forçado a delatar? E Lula, quem foi? O primeiro operário a chegar ao poder? O maior líder popular da História? OU O PRESIDENTE QUE FEZ DA CORRUPÇÃO UMA POLÍTICA DE ESTADO? Marcelo será esquecido. LUIZ INÁCIO ODEBRECHT DA SILVA, JAMAIS.
Em dezembro de 1989, poucos dias após a eleição do presidente Fernando Collor de Melo, o deputado Ulysses Guimarães (PMDB-SP), ex-condestável do novo regime, almoçava no restaurante Piantella, em Brasília, quando entrou a cantora Fafá de Belém, amiga de Lula. “Como vai Lula?”, perguntou Ulysses. Fafá passara ao lado dele o domingo da sua derrota para Collor.
E contou: “Lula ficou muito chateado, mas começamos a beber e a comer, os meninos foram para a piscina e ele acabou relaxando”. Ulysses quis saber: “Tem piscina na casa de Lula?” Fafá explicou: “Tem, mas a casa é de um compadre dele, o advogado Roberto Teixeira”. Ulysses calou-se. Depois comentou com amigos: “O MAL DE LULA É QUE ELE PARECE GOSTAR DE VIVER DE OBSÉQUIOS”. NA MOSCA!
Lula viveu de obséquios. Vive. O dinheiro não o atrai. A rotina da política, tampouco. O conforto e as facilidades, sim. Terceiriza a missão de obtê-las. O PODER SEMPRE O FASCINOU. E para conquistá-lo e mantê-lo, MANDOU ÀS FAVAS TODOS OS ESCRÚPULOS QUE NÃO TINHA.
Os que o cercam em nada se surpreenderam com a figura que emerge das delações dos executivos da Odebrecht. É um pragmático, oportunista, que se revelou um farsante. Emilio, o patriarca dos Odebrecht, decifrou Lula muito antes de ele subir a rampa do Palácio do Planalto. Conquistou-o com conselhos e dinheiro. Perdeu nas vezes em que ele foi derrotado. Recuperou o que perdeu e saiu com os bolsos estufados quando Lula e Dilma governaram. Chamava-o de “chefe”. Emílio era o chefe.
Nos oito anos da presidência do EX-OPERÁRIO QUE DETESTAVA MACACÃO e sonhava com gravatas caras, o país conviveu com o Lula que pensava conhecer e, sem o saber, também com LUIZ INÁCIO ODEBRECHT DA SILVA, só conhecido por Emílio e alguns poucos. “Cuide do meu filho”, um dia Lula pediu a Emílio. Que retrucou: “Cuide do meu também”. EMÍLIO CUIDOU DE FÁBIO. LULA, DE MARCELO.
De Lula cuidaram Emílio e Marcelo, reservando-lhe uma montanha de dinheiro em conta especial para satisfazer-lhe todas as vontades. Lula retribuiu com decisões governamentais que fizeram a Odebrecht crescer muito mais do que a Microsoft em certo período. A ODEBRECHT PAGOU A LULA, E LULA PAGOU A ODEBRECHT, COM A MESMA MOEDA – RECURSOS PÚBLICOS. QUEM PERDEU COM ISSO?
A Odebrecht ganhou mais dinheiro à custa de Lula do que ele à custa dela, mas Lula foi mais esperto. CRIOU SEU PRÓPRIO BANCO, ADMINISTRADO PELA EMPREITEIRA. E quando precisava sacar, outros o faziam em seu nome. Imagina não ter deixado impressões digitais nas negociatas em que se meteu. A polícia já identificou muitas. E outras serão identificadas antes do seu depoimento em Curitiba.
Corrupção mata. Mata sonhos, esperanças, alucinações. Mata o passado, o presente e compromete o futuro. Mata também de morte morrida à falta de saneamento, hospitais, escolas, segurança pública. A impunidade mata tanto ou mais. A HORA E A VEZ SÃO DA JUSTIÇA. E ELA SERÁ JULGADA PELO QUE FIZER OU DEIXAR DE FAZER.






LULA CORRE DE TELEFONE CELULAR, ASSIM COMO O SATANÁS FOGE DA CRUZ!!!

LULA NÃO CHEGA PERTO DE CELULARES E FALA AOS COCHICHOS COM MEDO DE GRAMPOS


Com medo de ser alvo de gravações que o comprometam, sobretudo no âmbito da Lava Jato, o ex-presidente Lula ordenou que OS CELULARES DE QUEM O VISITA SEJAM RECOLHIDOS ANTES DE QUALQUER REUNIÃO PRIVADA. Sempre lembra que celulares têm gravadores. Réu em cinco processos por corrupção, Lula não fala ao telefone nada que não possa ser divulgado. Ele não desconfia, tem certeza de que está grampeado. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Até em casa Lula fala quase aos cochichos. E encomenda varreduras periódicas em seus endereços, temendo escutas ambientais. O ex-presidente usa apenas aparelhos de seguranças e assessores. É UM DOS RAROS BRASILEIROS QUE NÃO TÊM SEU PRÓPRIO CELULAR. O grampo da Policia Federal que flagrou o plano para obstruir a Justiça foi uma conversa de Dilma com Lula no celular de um segurança dele. PARANÓICO, Lula implantou a regra que até hoje é seguida no Palácio do Planalto: ninguém entra no gabinete presidencial com celular no bolso.



DILMA BOTOU NO PÉ DO CIPA PROPINA DE R$ 50 MILHÕES

MARCELO ODEBRECHT REVELOU QUE CONTRATO VALEU R$ 50 MILHÕES AO PT

Ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht revelou que a parte do PT no contrato de desenvolvimento do Submarino Nuclear brasileiro (Prosub) FOI DE R$ 50 MILHÕES. O negócio, segundo o ex-executivo, era complexo pois havia também acordo de transferência de tecnologia por parte da empresa francesa que tinha o contrato com a Marinha do Brasil. O negócio rendia à Odebrecht de R$ 500 a 700 milhões ao ano. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder. “Sempre que chegava o final do ano, tinha um problema para receber” no contrato do Prosub, queixou-se Odebrecht na sua delação. Quando Odebrecht cobrava os pagamentos de parcelas, “AUMENTAVA A EXPECTATIVA” DE PROPINA EM GUIDO MANTEGA E JOÃO VACCARI NETO. O alto valor do submarino forçava Odebrecht a tratar diretamente com Guido sobre pagamentos, já que era ele o responsável pela liberação.

O VIGARISTA COLLOR DE MELLO CONHECIDO POR "ROXINHO", MAIS UMA VEZ CAIU NA ARAPUCA



Lígia Formenti

"Quero, quero, gostei, mas preciso ganhar", teria dito o então candidato ao governo de Alagoas nas eleições de 2010, o ex-presidente Fernando Collor de Mello, durante uma discussão sobre doação de recursos para sua campanha. Os ex-executivos da Oderbrecht Ambiental, Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis e Alexandre José Lopes Barradas, afirmam em depoimento à Procuradoria Geral da República que a conversa ocorreu no apartamento do próprio senador, em Maceió, em agosto daquele ano. "Collor disse que precisava ganhar a eleição e que para isso ele precisava de dinheiro, a campanha estava muito cara", afirmou Barradas.

Em delação premiada, os executivos afirmaram que a empresa repassou para a campanha de Collor R$ 800 mil de propina e caixa 2. Nas planilhas, o senador era apelidado como "Roxinho", numa referência à frase dita por ele ainda no exercício do mandato de presidente. Em 1991, ele afirmara ter nascido "com aquilo roxo." O valor foi pago pelo Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, que controlava os pagamentos de propinas à políticos.No vídeo, Barradas conta que o pagamento foi feito em São Paulo ."Não foi uma doação oficial. A origem do dinheiro era lícita, mas a maneira de passar era que estava errada", reconheceu. De acordo com ele, isso já estava como pressuposto na reunião. "Não tínhamos condições de fazer doação oficial, enquanto Oderbrecht Ambiental, porque somos uma empresa prestadora de serviço público. Isso é de conhecimento geral."Além dos ex-executivos da Oderbrecht, estava presente na reunião o Euclydes Mello, primo de Ferando Collor.

O tema central do encontro era uma eventual privatização da Companhia Estadual Alagoana de Saneamento (Casal). "A empresa é uma das mais deficitárias do Brasil. Ele entendeu e disse se francamente favorável à privatização, que sempre foi liberal", disse Santos Reis. "Com esse discurso compatível entre o que ele se propunha a fazer e com que nós gostaríamos de ver, nós acertamos a contribuição de R$ 800 mil", completou o ex-diretor Santos Reis.

No depoimento, Barradas contou que ele e Santos Reis viajaram para Maceió com um avião da companhia, especialmente para discutir a doação de campanha com Collor. O plano de voo foi apresentado como uma das provas, além da planilha do sistema Drousys, o departamento de propinas da Odebrecht, onde consta a doação de R$ 800 mil. Barradas afirma que já havia, durante o voo, a percepção de que Collor pediria uma contribuição para a eleição. "Não tinha dúvida. Toda vez que você conversa com candidato há expectativa de que ele lhe peça alguma coisa. Essa expectativa com certeza existia."Nas palavras do ex-executivo da Oderbrecht, Collor foi "propositivo". "Quero que você faça as obras", teria dito. "E nós: 'senador, nós não fazemos obras. Nosso negócio é  investimento, é gestão. Inclusive quem faz a obra não somos nós. Nós contratamos as obras'. E ele: 'Quero, quero, quero. Preciso ganhar'", relatou Barradas no vídeo.Foi nesse momento, disse Barradas, que o tema da doação surgiu. De acordo com Barradas, a reunião com Collor seguiu um padrão comum a de outros políticos. "Quando você tem uma reunião com um candidato, é uma exposição. O candidato do Brasil está sempre atrás de dinheiro. A estratégia da empresa era isso. No momento adequado, buscar as pessoas para tentar ter a sensibilidade, para que eles possam colocar nos planos de governo".

Em nota, o senador Fernando Collor negou o recebimento de recursos indevidos. "Nego, de forma veemente, haver recebido da Odebrecht qualquer vantagem indevida não contabilizada na campanha eleitoral de 2010".

A FOME DOS CROCODILOS


Ruth de Aquino
A conversa animal se deu entre dois gigantes, na era pré-­Dilma. O presidente da maior empreiteira, Emílio Odebrecht, disse ao pai dos pobres, Lula, o presidente mais popular do Brasil:  “SEU PESSOAL ESTÁ COM A GOELA MUITO ABERTA. ELES ESTÃO PASSANDO DE JACARÉ A CROCODILO”. Os crocodilos são maiores, mais pesados e de focinho mais longo que os jacarés, e seu quarto dente do maxilar inferior aparece mesmo com a boca fechada. Diz-se que crocodilos não existem no Brasil. Parece que sim. Saíram do Planalto Central. Rastejam.
Seria menos penoso para nosso país carcomido se os crocodilos fossem apenas vermelhos ou azuis, se pertencessem a só uma espécie. Seria mais fácil erradicá-los. Mas as delações de 77 executivos da Odebrecht – incluindo a mais explosiva, do ex-presidente da empresa, Marcelo, preso há quase dois anos pela Operação Lava Jato – expõem a crocodilagem do sistema político brasileiro. A cada mordida de 98 políticos e aliados, milhões de reais ou dólares passaram de MÃO EM MÃO, DE CONTA EM CONTA, DE GAVETA A MOCHILA. Os crocodilos são insaciáveis.

Nem percamos tempo com a declaração bombástica do empresário de que “não existe eleito no Brasil sem caixa dois”. Dois terços dos casos investigados se referem a corrupção mesmo, não a caixa dois. Atingem oito ministros, 24 senadores e 39 deputados, além de governadores e ex-presidentes. Os casos mais chocantes envolvem
VENDA DE MEDIDAS PROVISÓRIAS e propinas em obras para favorecer a empreiteira. 
Michel Temer não pode ser investigado por ser presidente da República e ter imunidade. Mas foi acusado pelo executivo Márcio Faria de presidir em seu escritório de vice-presidente uma reunião em julho de 2010. Segundo Faria, Temer delegou a Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves a missão de pedir da Odebrecht 5% de um contrato internacional de US$ 800 milhões da Petrobras. Temer se ausentou entre a sobremesa e o cafezinho. Foram US$ 40 milhões de propina.
Os casos mais prosaicos envolvem mimos para parentes, COMO A MESADA DE R$ 5 MIL PARA UM IRMÃO DE LULA, o financiamento para o filho de Lula criar uma liga de futebol americano (que não deu em nada) e o pedido pessoal de Lula para financiar o estádio de seu time de coração, o Corinthians, cujo valor dobrou de R$ 400 milhões para R$ 800 milhões para servir de sede para a Copa do Mundo. É surreal escutar isso no Brasil de hoje.

O ministro de Lula e Dilma Guido Mantega usou o expediente de escrever “50” num papel e mostrar para Marcelo Odebrecht, já sem ousar pedir de viva voz R$ 50 milhões para a primeira campanha de Dilma Rousseff em 2010. Também redigiu a letra “V”, pedindo dinheiro para João Vaccari Neto, então tesoureiro do PT. Era só o começo, porque depois pediu mais R$ 100 milhões. Segundo Emílio Odebrecht, não dava para chamar essas solicitações de
“PEDIDOS”. Eram “EXIGÊNCIAS”. Em troca, a Odebrecht levava vantagem nas obras e nas isenções fiscais. O montante desses acordos choca a nação.

Deve ser complicado um ministro da Fazenda e do Planejamento não poder falar o que quer, com medo da prisão. Mantega chama os vídeos e áudios das delações de “vazamentos criminosos”. Não são. São autorizados pelo Supremo Tribunal Federal. Deve ser complicado para Dilma ver, na televisão, Marcelo Odebrecht dizer que ela sabia de tudo. Não que restasse alguma dúvida na imensa maioria da população. Mas deve doer. Mexeu com ela. Mexeu com o Lula ouvir que Dona Marisa pediu a reforma no sítio de Atibaia, que custou R$ 700 mil segundo Marcelo Odebrecht.

Deve ser complicado para o senador Aécio Neves, do PSDB, aquele mineirinho que um dia sonhou em ser presidente do Brasil, ouvir seu grande amigo Marcelo dizer que ele pediu e recebeu pelo menos R$ 50 milhões em troca de vantagens indevidas para a Odebrecht na área de energia. Fica clara, na delação gravada, a simpatia de Marcelo Odebrecht por Aécio, que ele considerava “o futuro” do país. Os tucanos passados, entre eles o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também não foram poupados.

Pode parecer mesmo o fim do mundo. Talvez não. Se juntarmos a lista do relator da Lava Jato Edson Fachin à Operação Fatura Exposta no Rio de Janeiro, com a prisão da quadrilha encabeçada pelo médico e ex-secretário de Saúde Sergio Cortes – acusado do crime hediondo de subtrair R$ 300 milhões de doentes –, torço para o país estar velando um defunto em decomposição. 

Aqui jaz o velho Brasil. Trinta anos de uma República corrompida. O sentimento é de luto, mais que indignação. Mas só uma democracia consegue desvendar tanta sujeira. Por enquanto, são inquéritos. QUE SE CONDENEM OS CROCODILOS CULPADOS. Que o dinheiro do roubo seja repatriado. Que nasça um novo Brasil. Boa Páscoa para quem tem consciência limpa.