quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

A FEBRE AMARELA PODE MANDAR O GOVERNADOR DE MINAS, DO PT, PARA A FEBRE DO RATO, A GOTA SERENA OU ATÉ MESMO, O RAIO QUE O PARTA!!!

ALVO DA OPERAÇÃO ACRÔNIMO
E COM O ESTADO EM CALAMIDADE FINANCEIRA, O GOVERNADOR APROVEITA TRAGÉDIA PARTICULAR
PARA
SE VOLTAR AOS HOLOFOTES 



Após iniciar 2017 envolvido em novo escândalo ao ir buscar o filho em festa com helicóptero do Estado, também vem pelos ares a nova dor de cabeça do governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT). A Secretaria de Saúde de Minas Gerais investiga 14 mortes por suspeita de febre amarela em cidades do interior do Estado, onde 23 casos suspeitos da doença foram notificados, em pacientes homens, aposentados ou agricultores da zona rural mineira.
Alvo da Operação Acrônimo e com o Estado em calamidade financeira, o governador Fernando Pimentel transformou em "agenda positiva" a tragédia particular de quem vive nos rincões rurais de Minas e utilizou as redes sociais para comunicar aos mineiros que não há motivos para alarme nem riscos de epidemia da mortal febre amarela em Minas Gerais.
“A situação de fato é preocupante, mas não é um risco eminente de epidemia. O que nós estamos fazendo é tomar ações preventivas nas regiões afetadas envolvendo especialmente a vacinação. Se você mora em área urbana num dos municípios que está sendo afetado, você não tem motivo para se preocupar, a não ser que se desloque regularmente para a área rural. Aí, sim, você deve procurar um posto de saúde e se vacinar. Quem mora em área rural já está sendo contatado pelas nossas equipes de campo. Estamos indo de casa em casa vacinar as pessoas”, orientou Pimentel, após reunião com seus secretários da Saúde, Nalton Moreira, e de Governo, Odair Cunha.

REGISTROS

Estão sendo investigados 23 casos suspeitos de febre hemorrágica aguda, dos quais 16 já tiveram respostas laboratoriais positivas para febre amarela, e os outros continuam em investigação. 
Já houve 14 óbitos registrados desde o dia 5, cujas causas estão sendo investigadas. E cerca de 15 municípios das regiões de Teófilo Otoni, Coronel Fabriciano, Manhumirim e Governador Valadares estão em alerta devido a esses casos.
Pimentel reunirá prefeitos das regiões afetadas para discutir a situação e medidas para o combate ao problema. “O Ministério da Saúde já foi notificado, nós temos vacinas suficientes para cobrir todas as regiões que estão sendo afetadas nesse momento. Estamos mobilizando também a Defesa Civil e reforçando os leitos nos hospitais para eventualidades de casos mais urgentes. Tudo que é possível fazer estamos fazendo para enfrentar essa questão que é grave, mas não é uma situação de alarme”, disse o governador.

MAPA DO RISCO

Os 16 casos com maior probabilidade de confirmação estão nas cidades de Imbé de Minas, com 3 casos; Caratinga, Ubaporanga e Ipanema com 2 casos cada; e Inhapim, Piedade de Caratinga e São Domingo das Dores, Itambacuri, na região do Vale do Rio Doce; e Frei Gaspar, Ladainha e Poté, no Vale do Mucuri.
Também houve registro de casos de mortes em macacos e animais doentes nos municípios de Entre Folhas e São Sebastião do Maranhão, ambas no Vale do Rio Doce, onde não foram registrados casos prováveis em humanos. Macacos mortos ou doentes também foram registrados em Caratinga, São Domingo das Dores, Ipanema e Ladainha.
O mosquito Haemagogus está relacionado à transmissão na área rural, de acordo com a Secretaria da Saúde. Mas a doença também pode ser transmitida pelo Aedes aegypti, somente em áreas urbanas, onde não houve casos no Estado.
Há cerca de OITO ANOS não havia sido registrado caso de febre amarela rural em Minas Gerais. E nenhum caso da doença na área urbana é registrado desde 1942 no Brasil.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) foi notificada pelo Ministério da Saúde (MS) sobre as ocorrências de casos suspeitos de febre amarela em Minas Gerais. Fonte: Diário do Poder. - A manchete não faz parte do texto original - 

Nenhum comentário:

Postar um comentário