sábado, 3 de abril de 2021

DOUTOR JIVAGO: FILME & POESIA EM PROSA

 


d.matt


Este filme, que é por todos os ângulos, palavras, cenas e takes uma obra prima de primeiríssima grandeza, nos causa logo de início uma grande surpresa, pois  ele vai contra todas  adaptações anteriores de filmes baseados em livros famosos. Acontece que este filme É MUITO SUPERIOR AO LIVRO,  coisa raríssima, pois nos meus muitos anos de estudioso de cinema, sempre que  um famoso livro é adaptado, o livro sempre leva a melhor, o que não acontece nesse caso.


O livro foi escrito por um russo Boris Pasternak e como não podia publicá-lo  na União Soviética, devido ao regime comunista que é  retratado  nessa obra,  o mesmo foi contrabandeado para o exterior.  Publicado, ganhou para o autor o premio Nobel de Literatura.  Pura política de propaganda contra o regime comunista, pois o livro, a meu ver, não merece tal glória.  O livro foi proibido na Rússia comunista e o autor foi proibido de viajar para o exterior e receber o seu prêmio.


Entretanto,  os produtores,  sabiamente,  contrataram um roteirista de qualidade que fez uma adaptação da  estória amenizando parte da propaganda anticomunista e  nos apresentou um trabalho de alta qualidade, o qual recebeu o premio  OSCAR de melhor roteiro adaptado em 1966. Mas  onde estão as qualidades, grandes e decantadas qualidades, nessa obra tão elogiada?  Em tudo, no elenco de grandes nomes do cenário  artístico  mundial, do diretor, um mestre inglês que já nos deu  uma dezena de obras primas, trilha sonora, fotografia e etc.


O elenco não poderia ser melhor.  David Lean gostou da experiência  de  dirigir um árabe extraordinário no seu famoso filme Lawrençe da Arábia e o colocou como astro principal, no papel de um  médico russo. O resultado foi  surpreendente, demonstra o acerto do diretor Lean, pois não vemos outra figura a encarnar esse personagem com tanta precisão e paixão.


Para a figura de Lara, chamou a  talentosa Julie Christie que nas cenas da primeira parte do filme demonstra a que veio e o resultado de todo o seu trabalho é de primeiríssima qualidade. Temos também outros grandes atores, como Rod Steiger, Alec Guines, Ralph Richardson,  todos confirmando  uma aguardada  grande atuação. 


A fotografia é  deslumbrante e   foi premiada. com  um Oscar muito merecido. A trilha sonora ficou por conta do maestro Maurice Jarre . Essa trilha pontua cada cena, de modo magistral, além da inesquecível sonoridade do tema de Lara que não esquecemos jamais.  Essa bela trilha também foi premiada com um Oscar. Outros prêmios foram os de figurinos,  e direção de arte.  Todos merecidíssimos.


A  estória, ou neste caso podemos dizer também história, pois foi toda baseada em fatos e comportamentos  que realmente aconteceram na Rússia da época, relatando, ocorrências e  acontecimentos,  na pré-revolução e também após a implantação do regime comunista, para um povo faminto  e miserável  que procura se vingar e outros tentando sobreviver  às grandes mudanças ocorridas, com resultados   difíceis de  serem amenizados, devido ao terror e desgraça que abalou todo um povo, não só pelos revolucionários, mas principalmente pelo estado de escravidão  comportamental de um povo faminto, escravizado  e sem futuro, considerados párias sob o tacão da nobreza  sufocante e inútil. 


O que se via era uma   enorme e indiferente aristocracia que  vivia em um mundo luxuoso  que abusou ao máximo, tratando o povo humilde com indiferença e desprezo, somente interessados  no seu bem viver e na sua posição  de riqueza e privilégios., motivo que desencadeou o terrorismo, culminando com o assassinato de toda família real, conforme consta na história oficial.


Com os fatos ocorridos em  consequência dessa mesma revolução.   Os  mandantes da ditadura  revolucionária,  de tudo fazem, por todos os meios para manter  sob controle a  continuidade do regime, não importando os direitos e a própria sobrevivência do povo, citadino ou rural,  e  eliminando privilégios   aos antes  aproveitadores da situação da monarquia  e agora submetidos  aos direitos e deveres como qualquer cidadão comum.


Essa foi a mensagem do escritor Pasternak. Porém,  o regime não gostou das suas verdades  explícitas  e achou que ele exagerou na crítica e como sempre num regime esquerdista, quem não concorda, e exilado e vai  enxugar gelo na Sibéria. Devido a essa  opressão esmagadora, os personagens  encontram-se  e se desencontram, sem possibilidade de  vivenciar uma normalidade  social e quando  aparece uma oportunidade, fogem para os  confins do interior do país a procura de algum  refúgio  e de se livrar da opressão imposta a  todos, sem distinção. 


Cenas antológicas são mostradas, e muito  perturbadoras,  e ao meu ver, são as mais importantes de todo o filme, em razão de  seu sentido dramático  muito cru e insuportável.  Vendo essas cenas dentro do trem causa náuseas, pavor, mal estar de forma  repugnantes, como a viagem de trem de  várias semanas,  dentro de  vagões de cargas,  confinados em espaços mínimos, sem o menor conforto, sem higiene, tendo apenas a esperança de chegar em algum lugar menos violento.  Durante a viagem eles são testemunhas da violência assassina do regime recém imposto, com massacre e destruição de aldeias, apenas por supostas não aceitação do regime ditatorial. 


Depois dessa viagem infernal, finalmente eles  chegam em  lugares mais pacíficos, pode-se dizer assim.   Na verdade, vê-se um  grande trabalho de  direção de arte e fotografia criados por um mestre da arte cinematográfica.  São  inesquecíveis  as cenas  de chegada  na casa  coberta de gelo, externo e internamente, um trabalho primoroso  que sem dúvida contou muitos pontos para a premiação do Oscar de melhor direção de arte e  de  melhor fotografia.  São  inúmeras  paisagens geladas, belíssimas nos invernais da Rússia rural, paisagens  montanhosas cobertas de gelo nos Montes Urais daquela lindo país, cuja beleza e aprazível cenário parece ter sido muito pouco aproveitável, parecendo desertas, pois devido ao rigoroso clima, os camponeses, sempre que possível  se refugiam nas grandes cidades com condições mais seguras de  sobrevivência. 


O destino dos personagens, passa por grandes transformações, muita luta para garantir a sobrevivência, e sempre sob a ameaça de guerras  dos grupos se digladiando pelo poder, tanto por força militar como  política.


Dr. Jivago  é engolfado nesse furação de acontecimentos e  por mais que lute, é sempre um perdedor. Sua única proteção é do seu   meio irmão, um general  bolchevique,  interpretado  com grande classe pelo grande ator Alec  Guinnes que dispensa comentários. Sua presença  em qualquer cena presta ao filme uma grandeza qualitativa enorme, Grandes atuações também de Rod Steiger   que  soube aproveitar o papel  de grande importância, pois os seus desempenhos em inúmeros filmes, foram sempre  de parte coadjuvante sem grande  relevo.


A direção do mestre David Lean é magistral, não sei como não ganhou a premiação máxima de melhor diretor por esse filme, talvez porque ele sempre nos mostra o seu grande talento em todos os filmes que dirigiu, todos  grandes filmes, como Lawrence das Arábia. DOUTOR JIVAGO    É um filme que faço questão de recomendar aos amantes do cinema de todos os gêneros. Esse filme eu posso afirmar que é um clássico que retrata o cinema dos anos 60 com grande dignidade. O cinema mudou tanto que hoje em dia acho muito difícil fazer um filme como esse, que  ao correr das cenas nos parece estarmos lendo um grande  poema em prosa, tal qual os poemas que insistentemente o roteirista  comenta  durante todo o filme, como sendo  uma qualidade do personagem principal que é um poeta e quando morre recebe o reconhecimento do povo russo, pois,  quando do seu funeral,  que segundo diz um personagem na cena final, os russos são grandes amantes da poesia, que assim, sejam!!!

https://www.youtube.com/watch?v=q9TLGlOPjc0


PITACO DO BLOG CHUMBO GROSSO: - A partir de hoje as páginas deste blog serão engalanadas pelo excelente cinéfilo d.matt, um estudioso da arte, o PAPA do cinema westerniano. Sabe de tudo dos filmes faroestes e mais um tiquinho de outras modalidades também. Todos nós estamos orgulhosos e altamente satisfeitos por ter  ganhado, a partir de hoje,  um presentão de ouro  maciço de 18 quilates e, penhoradamente, a gente agradece. É uma honra tê-lo aqui neste espaço, meu dileto amigo d.matt, morador  da encantadora cidade  BALNEÁRIO CAMBURIÚ que fica no progressista estado sulista de Santa Catarina. Seja muito bem-vindo, GIGANTE, a casa é sua, mande as ordens!!!


Um comentário:

CÍCERO TAVARES DE MELO disse...

Um abraço bem forte no coração, Mestre D.Matt., por essa obra-prima de estreia!!