ESCOLA PROFISSIONALIZANTE SANTA BÁRBARA: EM ARAPIRACA e ARACAJU VIROU FACULDADE"""

ESCOLA PROFISSIONALIZANTE SANTA BÁRBARA: EM  ARAPIRACA e ARACAJU VIROU FACULDADE"""

sexta-feira, 21 de maio de 2021

ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE - (Mais um título brasileiro sem sentido. Porque não traduzir o título original?)

 

O Filme GIANT(gigante) completa 65 anos de filmado quando foi estrelado por Elizabeth Taylor, Rock Hudson  e  James Dean que marcou a derradeira atuação de James Dean no cinema: ele morreu antes mesmo de ver a obra concluída em acidente automobilístico com apenas 24 anos de idade.    


d.matt


Lembremos que o filme original tem o nome de GIANT e   é  centrado numa gigantesca fazenda de  milhões de hectares, com milhões de  cabeças de  gados e cavalos, com dezenas, talvez centenas de cowboys para controlar tamanho rebanho. É verdade que o enredo principal,  escrito pela autora Edna Farber, está mais centrado na família Benedict  e sua influência financeira e política local e estadual, devido a imensidão de suas terras,  maior até que alguns pequenos países europeus. 


como quase sempre, o livro é melhor  que o filme. o enredo   é inferior em qualidade ao gigantesco romance,   que merecidamente exalta a grandeza e qualidade  boas e ruins do grande Estado americano. Sua narrativa, bem elaborada e descritiva  é uma enciclopédia sobre os usos e costumes do nação norte-americana.   Bem explicitado no livro,, o que acertadamente o autor da adaptação do enredo e o  diretor conseguiram mostrar no filme.


A fita  mostra desde o início a  "diferença"  entre os seres humanos e os mexicanos, que são seres à parte. Tratados com  muito pouca civilidade sempre desdenhados, sendo considerados como escória e lixo pelos poderosos texanos. Nota-se que o personagem JET RIT   interpretado pelo ator James Dean, apesar de pobre e empregado da fazendo,  recebe  um tratamento menos preconceituoso dos seus arrogantes patrões, isto porque ele "é branco  e texano" e suas  extravagâncias e audácias, são  sensivelmente toleradas e ele  também  considera os mexicanos miseráveis como lixo humano, uma vez que não são, americanos, texanos e são de raça "inferior" segundo o seu julgamento  racista e  boçal.


George Stevens mereceu um Oscar de melhor direção em 1956, prêmio muitíssimo justo pois a sua direção é segura e mantem o filme num elevado padrão de qualidade, até a metade do filme. George Stevens já era considerado um excelente diretor, tendo nos presenteado com  o belíssimo filme UM LUGAR AO SOL em 1951, e posteriormente dirigiu o belíssimo e clássico  western SHANE  em 1953,  do qual um dia ainda  escreveremos a respeito.


O filme de que trata este artigo  muda de tom e deixa de ser um western  a partir do momento em que o seu pobre empregado encontra petróleo em seu terreno, localizado  dentro da fazenda Reata. Um pequeno lote de terra  deixado por herança  pela  irmã do  fazendeiro morta por acidente  rural.  O filme muda completamente, de um semi-western passa a ser um dramalhão, agora quase totalmente focado no sentido de preconceito racial, financeiro, e  de estatura politica  e social.


No livro a  escritora Edna Farber  faz volteios mágicos para salientar, no somente, o comportamento de todos os seus personagens, inclusive, fica bem claro nos seus escritos que o personagem do UNCLE BAWLEY,  no filme interpretado pelo ator Chill Wills é  sem dúvida um personagem Gay. Mas todos fingem  ignorar esse fato, pois seria impossível imaginar, um texanos, machão Gay, no meio  de tantos machões da região,  o diretor e roteirista também fazem  vista grossa, mas por vias das  dúvidas, mantém o personagem,  no estado civil de solteiro  em todo o filme,  mas  com muita dignidade.

 

Desde o começo do filme, ao chegar à fazenda Reata, o personagem JET RIT (James Dean) chama a si toda atenção, devido aos seus maneirismos  no modo de falar e na sua postura corporal.  Parece uma enguia se escondendo e aparecendo, na verdade querendo  chamar a atenção para o seu personagem, o que ele consegue em parte. Miss Taylor, com uma beleza exuberante,  não precisa se esforçar para chamar a atenção sobre si, pois é  o protótipo da mulher bela e ela sabe explorar muito bem essa graça recebida de Deus.


O machão (no filme), Rock Hudson, faz uma força tremenda para parecer  um texano autêntico e durão, mas em vão, seu desempenho fica muito a desejar, o papel merecia um ator com mais força e personalidade e não esse ator de comédias românticas, sem nenhum apelo dramático. Não dá para entender, quer dizer, se você conhece os bastidores dos prêmios Oscar,  vai entender o porquê da sua absurda indicação ao prêmio de melhor ator  nesse filme.


O  cultuado ator James Dean, também foi indicado ao prêmio de melhor ator, nesse filme. Porem nesse caso entendemos a  indicação do seu nome como melhor ator, devido a sua morte trágica,  ocorrida antes do lançamento do filme.  Foi apenas uma homenagem, mas  não uma indicação por mérito, uma vez que a sua atuação neste filme é a pior da sua breve carreira.  Da metade até fim do filme , ele se repete nos seus maneirismos interpretativos, sem qualquer originalidade e  mudança de postura, uma vez que o seu personagem  exige uma nova postura de poderoso milionário e não de um, cafajeste rural, conforme ele interpreta  a sua postura como  poderoso homem de negócios e cidadão proeminente dentro do Estado.


A autora quis demonstrar e conseguiu no seu romance, de como as pessoas se comportam quando o dinheiro jorra escandalosamente  em cima da suas cabeças. Tudo muda literalmente. Como exemplo, cito um diálogo  ocorrido no meio do filme:

A sra, Benedict L.Taylor )  pergunta :

Como vão os negócios?

a outra responde: Estamos conseguindo um milhão.

- Um milhão de barris de óleo?

-Não, um milhão de dólares.

-Um milhão de dólares por ano?

-Não, um milhão de dólares por mês.

Quer dizer, não há cabeça que se mantenha lúcida, depois dessa.

 

Nem a autora do livro  e nem o filme explica, porque somente o xicano ( Sal Mineo ) filho de uma empregada da fazenda, quando cresce vai a guerra e volta dentro de um caixão militar. Porque o filho do fazendeiro não vai a guerra? Porque o genro do fazendeiro vai a guerra e volta são e salvo? Será que só os Xicanos são  heróis e valentes e  merecem morrer pelo Texas, sua terra  adotiva?


As cenas finais são constrangedoras,  com acentuadas  denuncias de preconceitos raciais,  não só no  livro, mas também no filme.  As cenas  do confronto  e brigas de R.Hudson e J.Dean  estão ridículas, mal planejadas, mal interpretadas e sem qualquer aceitação, seja no livro, como no filme. Nem um mágico diretor poderia melhorar aquelas cenas deploráveis,  difíceis de serem aceitas, no contexto da estória  original.


É de notar  que o responsável pela maquiagem dos personagens  estava muito longe do Texas durante a filmagem.  Seu trabalho é lamentável. Quando os personagens precisam aparentar uma certa idade, 50/60 anos, ele simplesmente borrifa exageradamente  os cabelos dos atores com uma tinta ou pó cor de cinza exageradamente e  o rosto e corpo dos personagens ficam sem mudança desde o início do filme. Grande falha da produção, que também não cuidou muito bem da direção de arte.


Aquele final do Bilionário fazendeiro   racista,  lutando  e sendo esmurrado violentamente, pelo direito do neto xicano ser servido no restaurante,     é inverossímil e causa até constrangimento. É digna de uma comédia dos três patetas. 


Ao final, entendemos que todos são derrotados, mas ignoram as derrotas e voltam às suas vidinhas ricas e  vazias, numa piscina  transbordando de dólares. O resultado final fica muito abaixo do esperado de um filme do  excelente diretor George Stevens.

https://www.youtube.com/watch?v=IGJVuTn461c

quinta-feira, 20 de maio de 2021

TAIGUARA, O COMPOSITOR MAIS CENSURADO NA DITADURA


Por Altamir Pinheiro

É angustiante e lamentável afirmar que, a censura na ditadura militar no Brasil sufocou a criatividade de muitos compositores brasileiros, mas ninguém chegou a ter a carreira tão prejudicada pela repressão quanto um cantor cujo nome, em tupi-guarani, significa "LIVRE". Nascido no Uruguai, Taiguara frequentou as paradas de sucesso das rádios e os festivais de música nos efervescentes anos 60 e 70 com o lirismo e as melodias bem construídas de canções como “Hoje”, “Universo no Teu Corpo” e “Que as Crianças Cantem Livres”. O crítico de música, jornalista Tiago Dias, nos afirma  que a  perseguição teve início no período em que Taiguara começava a resgatar suas raízes latinas. As referências em suas letras vinham com uma carga forte de sensualidade e abstrações sobre a liberdade. Ele, o Chico Buarque e o Gonzaguinha são os artistas que mais foram censurados. 


Os problemas com a censura  levaram Taiguara a se autoexilar por duas vezes. Em meados de 1973, ele partiu para um curto período na Inglaterra. Em seguida, foi à África, onde morou por vários anos. Voltou ao Brasil ainda mais político. Participava de caminhadas a favor da redemocratização e estreitou os laços com o comunista Luís Carlos Prestes –o “cavaleiro da esperança”, como Taiguara cantava, e uma ameaça, na visão dos militares. Na canção  “Tinta Fresca”, por exemplo, Taiguara foi incisivo: “não me queixo do meu fado não se eu quiser me deixar sair / me abre essa porta / e me deixa sair / ou dizer o que eu quiser”. A provocação só instigou a má vontade do departamento de censura. “Os incomodados que se mudem, pois as portas do nosso Brasil sempre estiveram abertas para sair aos indesejáveis”, reagiu o censor, em comentário escrito de próprio punho na folha que trazia a letra da canção. 


Entre 1970 e 1974, segundo  o jornalista Tiago, 61 letras  datavam de 1974. E de toda a produção daquele ano, a maior parte foi vetada: 36. E, todo o período, foram 48 canções proibidas. Isso sem contar os discos que foram proibidos na íntegra. Na verdade, Taiguara    se expôs muito, mais do que os outros. Só que,  quanto mais ele era censurado, mais crítico ele ficava. Entre lindas canções em seu vasto repertório  há o tango “Conflito”, que foi vetado em 1974 e, posteriormente, seria chamado por Taiguara de “Sexo Escravo”. “O que é talvez pior que a burguesia / é a sombra das pequenas tiranias / Que existe cá entre nós, cá entre nós”... 


A lá o guerrilheiro argentino Che Guevara que morreu em 1967 aos 39 anos,  a rotina passou por mudanças radicais. Taiguara, como o guerrilheiro Che Guevara,   não tomava Coca-Cola e se negava a usar calça jeans por considerar símbolos da cultura americano.  A sintonia com o público, que já não estava afinado com ele desde 1974, quando o compositor passava mais tempo tentando liberar sua obra do que fazendo shows, foi se extinguindo aos poucos. Ele virou muito discursivo, aborrecia também, e com isso foi perdendo o espaço na mídia, principalmente após ficar dez anos longe do Brasil. Os antigos fãs queriam o Taiguara romântico, cantando modinha. Ele queria fazer canção de protesto.


O cantor e compositor Taiguara, autor de sucessos como "Hoje" e "Viagem", morreu na madrugada de 15 de fevereiro de 1996 (há 25 anos) no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, vítima de uma metástase provocada por um câncer iniciado na bexiga, aos   50 anos de idade. Filho de pai gaúcho e mãe uruguaia, Taiguara Chalar Silva nasceu em Montevidéu, no Uruguai, mas cresceu no Rio de Janeiro, no bairro de Santa Teresa, onde passou grande parte de sua vida.Autor de grandes sucessos nos anos 60 e 70, teve seu auge em 1968, quando venceu o Festival Universitário de MPB, com a canção "Helena, Helena, Helena", e também o festival Brasil Canta no Rio, com "Modinha".


Embora seja mais conhecido hoje pela canção romântica “Universo no Teu Corpo” (“Vem comigo / meu pedaço de universo é no teu corpo”), seu cancioneiro lista títulos tão sugestivos quanto “Cavaleiro da Esperança“, feita em homenagem ao comunista Luís Carlos Prestes, “Teu Sonho Não Acabou”, “Geração 70” e “Que as Crianças Cantem Livres” (“E que as crianças cantem livres sobre os muros / e ensinem sonho ao que não pode amar sem dor / e que o passado abra os presentes pro futuro / que não dormiu e preparou o amanhecer”). Para se ter ideia do talento desse compositor que tanto foi afugentado e escorraçado pela censura, ele  chegou a gravar discos assinados por sua esposa Ge Chalar da Silva, para fugir da  dita ditadura.

https://www.youtube.com/watch?v=xIY9DRMGaek





quarta-feira, 19 de maio de 2021

BOLSONARO É LOUCO OU CRIMINOSO?!?!?!

 


Por Altamir Pinheiro

Até  uma criança de 12 anos, mesmo sentindo-se um pouco atordoada com toda essa enxurrada de maluquice temerária  que teima em estar presente   ao seu redor já percebeu que, o nosso supremo mandatário, TONHO DA LUA, não tem os requisitos cognitivos mínimos para exercer à presidência  de uma nação que anda aterrorizada com uma pandemia que se alastrou de morro acima e fogo abaixo, transformando-se num caos total!!! No entanto, eis uma constatação para ser melhor refletida: não raramente,  bandalheira ou canalhice é confundida com psicopatia e sociopatia (ou seria o contrário!!!). Quem tiver alguma dúvida é só consultar um veterinário... 


Recentemente, o jornal  Estadão jogou em suas páginas um primoroso edital quando enfatiza que aumentam consideravelmente as evidências de que Bolsonaro sofre de algum desequilíbrio mental e prossegue o editorial  catalogando diversos indícios de TRANSTORNO DE PERSONALIDADE. Ainda em 1999, o dito cujo afirmava em entrevista,  que se fosse presidente fecharia o Congresso “sem a menor dúvida ~ daria o golpe no mesmo dia”.  Na mesma entrevista, defendeu a tortura, e disse que o Brasil  “só vai mudar quando partirmos para uma guerra civil (...) matando uns 30 mil (...), vão morrer alguns inocentes, tudo bem”.  Já presidente, Bolsonaro,  além de promover manifestações golpistas, deu inúmeras mostras de megalomania – “eu sou a constituição”, “tenho a caneta”, quem manda sou eu”, “o meu exército”.


Se já não bastasse os famosos bordões de mesas de botequins como: “gripezinha”, “e daí?”, “eu não sou coveiro”,  “país de maricas”, “um dia todo mundo vai morrer”, e dana-se por aí afora.  Vejam só que interessante: Bolsonaro é radicalmente contra  o isolamento para conter esse vírus letal, mas ele, o ex-chanceler e o ministro do meio ambiente fizeram de tudo para isolar o Brasil do resto do mundo. Basta ver o  desastre anunciado no desmatamento da região  Amazônica e o Cerrado que está  pegando fogo. A propósito, não há  um menor ensaio de  decisão de prudência o que está acontecendo com as queimadas que enfumaçam os céus do Brasil. No campo da preservação do meio ambiente, Eles, oh, não tão nem aí, tão andando e cagando pro povo... 


Mas, afinal, o que diabo vem a ser esse tal de  TRANSTORNO DE PERSONALIDADE de que trata o enunciado do texto ora escrito?  Segundo os papas da psicologia moderna, os transtornos de personalidade são um grupo de doenças psiquiátricas em que a pessoa tem um padrão de pensamento e comportamento bastante RÍGIDO e MAL AJUSTADO. Sem tratamento, que envolve psicoterapia e medicamentos, o problema costuma ter longa duração e causa sofrimento e dificuldade nos relacionamentos pessoais e em outras áreas. Depois dessa, quem tem alguma dúvida que isso cai em cheio na personalidade do Imorrível,  imbrochável e incomível Bolsonaro?!?!?!


Os transtornos de personalidade são classificados em categorias que têm características corriqueiras. Embora seja comum reconhecer traços de si mesmo em diferentes transtornos de personalidade, quem tem o problema possui a maior parte das características de um transtorno específico, só que no caso do amalucado, ele carrega no lombo uma cangalha com  um caçuá de cada lado  entupido de   transtornos exemplificativos  que são mais conhecidos   como, transtornos excêntricos ou estranhos de personalidades paranoide, esquizoide e esquizotípica; além dos transtornos dramáticos, imprevisíveis ou irregulares e os ainda transtornos  ansiosos ou receosos, tudo isso num pacote só na cuca perturbada de um sujeito que é moralmente neutro e   que desgoverna esta nação a trancos e barrancos ou na base do dá ou desce. 


O jornalista Carlos Nilton nos relata que os  historiadores e cientistas políticos estrangeiros que estudavam o Brasil, conhecidos como brazilianistas, acabaram desistindo. Ninguém aguenta acompanhar o que acontece no Brasil, tal o número de escândalos, negociatas, corrupções e fraudes de grande porte que acontecem diariamente. É um nunca-acabar, os brasileiros não sabem em quem confiar, até as Forças Armadas estão infiltradas de corruptos, basta ver a atitude dos oficiais que tomaram de assalto o Ministério da Saúde e queriam usar na construção de um auditório o dinheiro destinado a combater a pandemia. E ninguém vai preso, não há fuzilamento, cadeira elétrica, forca, guilhotina ou injeção letal. Pelo contrário, o corrupto tem impunidade garantida até o fim dos seus dias.


Depois de mais de dois anos toda à nação brasileira vem  “tulerando” um genocida, psicopata e sociopata, só Deus sabe como. Definitivamente, Bolsonaro  tem toda as credenciais ou ferramentas  para ser ou quem sabe já é um mentecapto, insano, arrogante, desatinado, impertinente, destrambelhado, biruta, desmedido, confuso, lunático, tresloucado, antipático, desajuizado, tantã, inconsequente, leviano, palerma, atrevido, esdrúxulo, imprudente, energúmeno, descarado, insultuoso, despropositado, demente, obsceno, petulante, imbecil, azedo, debochado, mequetrefe, pomba-gira, meliante, idiota, boçal, libertino, apalermado, devasso, cínico, estúpido, pervertido, anormal, rabugento, louco, doido, maluco... UFA, CANSEI!!!






segunda-feira, 17 de maio de 2021

A DISSONÂNCIA COGNITIVA SE ALASTRA FEITO ERVA DANINHA NOS RUMINANTES BOLSONARISTAS

 


Por Altamir Pinheiro

Pergunta-se, não obstante, o que danado vem a ser   essa tal de Dissonância Cognitiva, hein?  É nada mais nada menos  do que um transtorno mental onde a pessoa cria JUSTIFICATIVAS FALSAS para algo que ela inconscientemente sabe que é mentira. Ou seja, é uma auto contradição. A dissonância cognitiva é um termo cunhado pelo psicólogo norte americano Leon Festinger, que  no campo da  política ela se  manifesta quando uma determinada autoridade se comporta de forma irracional (Bolsonaro, por exemplo!!!). A teoria da dissonância cognitiva baseia-se na premissa de que a pessoa se esforça para manter a coerência entre suas cognições (convicções e opiniões). Quando uma pessoa tem uma crença sobre algo e age diferente do que acredita, ocorre uma situação de  dissonância, pois ela  é a contradição e uma das principais fontes de inconsistência no comportamento do ser humano.


De um modo geral, o bolsonarismo não é um caso de fanatismo e sim de SAÚDE que podemos denominar de dissonância cognitiva. ou seja, a pessoa tem uma opinião sobre algo e age de outra forma.  Quer dizer, sabe das maluquices  praticadas por Bolsonaro, mas não as admitem em hipótese alguma sendo capaz de ir às últimas consequências para defendê-las!!! No popular, isso quer dizer NÃO DÁ O BRAÇO A TORCER, mesmo estando errado... ilustrativamente, o sujeito é capaz de  atacar seu melhor amigo  que discorda  do seu MITO   e, se for preciso, não há nele a menor cerimônia de   acusar a maternidade em que a mãe do amigo  deu a luz, mandando-o para a puta que pariu!!!  Saindo da esfera política e passando para exemplos da vida cotidiana é a mesma coisa de,  o indivíduo sabe que beber e dirigir são atos perigosos, no entanto mantém essa atitude, mesmo conhecendo os riscos.


Vejam o recado atualizadíssimo (a CPI do genocídio)  dado pelo jornalista Josias de Souza a esse gado que sofre dessa doença: “Seguindo o rastro de provas que o capitão produziu  contra si mesmo durante a crise sanitária, a CPI já demonstrou a existência de um modelo vacinocida. Nele, a cloroquina  era poção mágica contra a “gripezinha”, o brasileiro tinha de enfrentar o vírus de peito aberto, e a contaminação em massa levaria a uma imunização de rebanho que tornaria as vacinas desnecessárias. Deu, por hora, em 434 mil mortes”. Daí, percebe-se que, há caso que é tão estarrecedor que, entre nós,  o Bolsonarismo parece ser mais um povo SEMITAS, donde,  eles  leem da direita para esquerda ou quem sabe estão fumando maconha estragada, só pode ser!!!


Como se vê ou logo após a  condução genocida no Ministério da Saúde, o número de casos e mortes explodiu no colo do pançudo e bufão Pazuello. Eis o que dizem as estatísticas: quando se arranchou  por lá em maio de 2020 eram, arredondando,  15 mil mortes e 220 mil casos de infecção. Ao ser demitido, 10 meses depois,  eram 300 mil óbitos e 13 milhões de casos. Como afirma o jornalista  Weiller Diniz,  na chacina sem precedentes o caos foi generalizado. Em Manaus, o desabastecimento de oxigênio matou brasileiros asfixiados, enquanto isso 70 milhões de doses do imunizante da Pfeizer foram desprezadas pelo governo federal, que nem sequer  deu respostas à empresa farmacêutica. O general também recuou, por subserviência acrítica, na compra de 46 milhões da vacina do Butantan. O general Pazuello foi rebaixado e humilhado pelo capitão para desfazer a compra. Saiu-se com um vexatório “um manda, outro obedece”. Se tivesse um mínimo de dignidade, deveria ter pedido baixa imediatamente.


Indo mais além, a desavergonhada  tentativa criminosa de se fraudar a bula da hidroxicloroquina, para mentir que o medicamento era eficaz contra o vírus,  claro que  já seria,  per si só, caso de polícia.  Motivo para todos os envolvidos irem pro  olho da rua através de um chute na bunda. É algo tão inimaginável em um país minimamente sério que foge à lógica do cidadão comum, pois torna-se numa coisa enojante e vomitatória. A tentativa de alteração  na prescrição da cloroquina é só um dos crimes perpetrados por um grupo marginal e inconsequente que tomou de assalto o setor de saúde. Como diz o jornalista Gilvandro Filho, o boicote à vacinação, levou o Brasil à rabeira do ranking mundial  como também o péssimo exemplo  que deveriam combater o mal, mas que o ampliam, promovendo aglomeração, incitando o (seu) povo a atacar a ciência e o isolamento social. Ou, ainda, quem desestimulou o uso da máscara, chamando-a de “coisa de marica”.


Tudo isso ora relatado, entra num ouvido e sai no outro por parte da vaqueirama bolsonarista que sofre de dissonância cognitiva. Para o vício da ignorância desses doentes, só a vacina do saber é capaz de eliminar  esse mal endêmico que o vírus dissemina. Pois bem, como ainda não inventaram lavanda  capaz de disfarçar certos odores, mesmo assim o Bunda Suja Bolsonaro se acha o reizinho cheirosinho do cercadinho arrodeado da sua boiada, donde, há gado demais para um pasto tão pequeno. Que fiquemos atentos, pois   lá na frente, tudo indica que vai faltar capim santo para o rebanho. Portanto, já passou da hora de um sonoro grito de alerta. Afinal de contas, lá estão quase 500 mil corpos estendidos no chão... Chega de carnificina gente, pois é preciso parar com esse genocídio e isso é  urgente, é pra já!!! 


domingo, 16 de maio de 2021

LAWRENCE DA ARÁBIA, FILME ÉPICO QUE SE TORNOU EM UM CLÁSSICO IMPERDÍVEL

 


d.matt


Escrever ou falar sobre o filme Lawrence da Arábia  é  descrever  sobre  a  genialidade cinematográfica.


Esse filme foi considerado por muitos críticos e  grandes personalidades   do mundo do cinema,  como o melhor e mais perfeito filme até hoje  produzido, superando, mesmo com seus 7  Oscars premiados, o belíssimo e consagrado merecidamente, o filme BEN HUR, que todos concordamos ser uma joia cinematográfica que conquistou 11 prêmios Oscars da academia de cinema.


Se me perguntarem o porquê  desse filme ser considerado o melhor feito até hoje, para responder precisamos dissecar  esse Épico Clássico em todos os ângulos e chegaremos a conclusão que ele é imbatível em todos os sentidos.


O mais difícil desse filme  é o seu enredo, pura política  ou melhor, politicagem  do princípio ao fim, o que o tornaria enfadonho, não fosse a alta qualidade da adaptação, em parte, do livro escrito pelo próprio Lawrence,  " Os Sete Pilares da Sabedoria ", que foi muito bem cortado, polido e adaptado  corretamente  por Robert Bolt. 


Mas, quanto à   adaptação, felizmente, não podou  as atitudes dos governos da França e da  vampiresca Inglaterra, sempre pronta a  meter os seus dentes caninos e afiados  em qualquer país que estivesse  livre e sem defesa, pois na época,   a Inglaterra se julgava a dona do mundo e  submetia ao seu domínio, todo país  fraco e sem defesa,   principalmente na Ásia e na África,  como o fez por longo tempo com a Índia, cujas riquezas foram  roubadas  escandalosamente (Era considerada a Joia da coroa britânica) por longos anos e somente conseguiu se libertar, graças a sabedoria  liderança e  força moral do Mahatma Gandi.


Os árabes, na época, eram  tribos  muito pobres, e viviam brigando entre si. Não tinham  a menor  consciência de que precisavam de uma pátria e não  serem  arrastados pelos países dominantes  europeus, como a Inglaterra e a França, que manipulavam todos os seus passos e os compravam barato, pois serviam de escudos aos seus interesses escusos, na região.


Por acaso e considerando que o Lawrence era  visto  como um  excêntrico, quase  um  débil mental, eles acharam oportuno enviá-lo ao deserto. para  avaliar   as possibilidades de exploração  dos árabes a seu favor. Mas, o tiro saiu pela culatra, quando Lawrence  se empolgou com a cultura  árabe e passou a vivenciar seus usos e costumes e com a sua inteligência, via adiante  de si o que poderia ser feito para unir aquelas tribos   quase selvagens. dispersas e sempre em constantes atritos tribais.


Com este enredo, magicamente  bem adaptado pelo  responsável pelo script  final,  o filme foi entregue  a um dos  maiores diretores de cinema de todos os tempos, o grande David Lean, dono de vasta  obra cinematográfica, que posteriormente nos brindaria  com  outra obra prima, que foi o filme DOUTOR JIVAGO.


David Lean, grande conhecedor de cinema, não poupou esforços e conseguiu junto aos produtores um elenco sensacional de  grandes atores, começando pelo seu ator  preferido que pontuou em diversos filmes  sob sua direção, o ótimo  Alec Guinnes ( que mais tarde ganharia o Oscar de melhor ator, no filme " A ponte do Rio Kwai ", também dirigido por  David Lean. 


Neste filme houve a grande participação do ator Anthony Quinn,  que sobressai  espetacularmente em todas as cenas em que aparece e domina o filme com a sua versatilidade e conhecimento  de  como se destacar em um filme de multidão, como neste caso.  Sua presença domina a tela de maneira vibrante. Omar Shariff, um ator  árabe desconhecido no ocidente e nota-se em todo filme, muito tímido ainda por  atuar junto a grandes celebridades, mas consegue dar o seu recado, sem sobressair demasiado,  mas, graças a  experiência do diretor,  ele foi convocado  posteriormente  pelo mesmo  David Lean, com o ator principal no seu próximo filme,  "Doutor  Jivago". no qual ele  nos brindou com  um desempenho  correto, muito verídico e de grande impacto.  


Outros grandes atores completaram o elenco com maestria, tais como José Ferrer, Anthony Quayle,  Claude Rains , Jack Hawkins e   muitos outros atores de qualidade reconhecida. 


Para o papel principal foi escolhido o ator  Peter O'Toole  que na época não era uma sumidade no cinema, mas como o papel principal foi recusado por  Marlon Brando (o qual a meu ver ficaria ótimo no papel), os produtores arriscaram entregar o papel principal ao ator pouco conhecido Peter O'Toole, que se saiu admiravelmente   e hoje não vemos nenhum outro ator que poderia ter sido  tão bem adaptado ao personagem  mítico Lawrence.


A academia negou-lhe  o Oscar de melhor ator do ano, e o fez mais sete vezes, mostrando o que sempre reafirmamos, a  incompetência na  fórmula    de escolha dos premiados, seja qual for, está absolutamente errada, com grandes injustiças, que como neste caso, foi repetida mais sete vezes. Para minimizar a sua estupida avaliação, deram-lhe um Oscar Honorário no ano de 2002, o que não deu  para perdoar a burrice crônica da Academia de Cinema. 


Alguém pode afirmar, com certa razão que a escolha é feita por votos. Mas é um grande engano,  a manipulação dos votos e dos votantes é altamente canibalizada no período de votação. É uma guerra de poderes, propaganda e muito dinheiro em jogo, pois uma indicação da academia, vale no mercado distribuidor milhões de dólares, como já relatou o  critico de cinema brasileiro que reside em Hollywood,  Dalenogare, no seu site no youtube, no qual ele  denuncia em detalhes de como o Oscar disputado pela atriz brasileira  Fernanda Montenegro foi garfado pelo produtor Weinstein, comprado e roubado, para  aquele projeto de atriz Gwyneth  Paltrow.  que depois de ganhar o Oscar, mostrou ser um zero à esquerda e não fez nada que prestasse. A não ser, talvez nos  fechados escritórios do  dito  produtor, hoje preso e acusado " por elas " de terem sido estupradas. 


Voltando ao filme LAWRENCE DA ARÁBIA, muita coisa foi suprimida ou  amenizada no script  final  do filme, devido a sua   brutalidade, tais como   as cenas em que participa o ator José Ferrer.  O que é demonstrado no filme é apenas uma insinuação do que realmente aconteceu , um brutal estupro que tornou o nosso herói  vingativo contra os turcos e mais tarde no decorrer dos acontecimentos ele incentiva e autoriza o massacre de  milhares de turcos que estavam fugindo para o seu país e foram todos dizimados por ordem de Lawrence. 


A trilha sonora, do maestro Maurice Jarre é soberba,  acompanha todo o filme e fica na nossa memória como se fora um capítulo  musical adicional, sem palavras as imagens.

 

A fotografia  é muito honesta e não procura enfeitar as cenas com tomadas especiais, apenas traduz  as cenas  e nos mostra um deserto as vezes belo e soberbo, outras vezes um deserto inóspito, cruel e perigoso como jamais visto. 


Quando Lawrence volta ao Cairo para relatar o sucesso da sua  empreitada, com a conquista de Akaba,  os ingleses se mostram perplexos, desnorteados,  sem saber o que dizer ou fazer de imediato, pois jamais passou pela cabeça deles que aquele   soldado  excêntrico, quase idiota pudesse   ter capacidade de liderança e   vencer batalhas, que o seu exército jamais imaginaria lutar e vencer. 


De pronto, atendem todas as suas exigências de armas e  ouro para pagar aos exércitos, pois os árabes não aceitam ou acreditam no valor de moeda de papel .  Ele  retorna ao deserto, promovido a Major,    com maiores poderes. Depois da sua luta, guerra vencida, os árabes vão sentindo o gosto  do poder e vão   sendo criados Estados diversos com os líderes que foram apoiados  e  pelo  o major Lawrence.


A partir daí, os ingleses e também os  árabes que foram  se organizando em Estados independentes e sem  os  inimigos que foram derrotados, graças a liderança de Lawrence,  resolvem que não precisam  mais da  sua  expertise, pois ele agora só atrapalha  com as suas ideias absurdas de  direitos e independência e o descartam   sumariamente.  Ele volta à Inglaterra e passa  a ser um  militar como outro qualquer, sem prestigio ou regalias.


Uma lição desconcertante para um homem que liderou   grandes batalhas, construiu países,  entronizou reis que antes eram bárbaros  árabes do deserto e agora são poderosos, pois logo após foi  descoberto petróleo naquelas paragens e os antes pobres lideres cobertos de areia, agora se lambuzam com o ouro negro.


A historia de como Lawrence participou como figura relevante  na criação do atual império árabe, serve de exemplo de como os idealistas e  visionários são usados pelos governos  de países poderosos, como cobaia e inocentes úteis, não só como  foi no passado, mas também no presente e certamente   será no futuro, pois o ser humano, na sua grande maioria é falho de  grandeza e respeito aos direitos humanos. seja em uma humilde  região paupérrima da África, como também numa  fulgurante e  "civilizada " cidade como Londres ou Nova Iorque.

https://www.youtube.com/watch?v=HjWEma8V1eo


sexta-feira, 7 de maio de 2021

CABOS ELEITORAIS DA LARANJA DE DUDU ESTÃO ENROLADOS ATÉ O PESCOÇO COM O PODER JUDICIÁRIO DE CAPOEIRAS



Por Altamir Pinheiro


Este repórter que vos fala(escreve), um militar amigo meu juntamente com  meu respectivo advogado passamos toda semana debruçados em afazeres de pesquisas e ao mesmo tempo vasculhando com dedicação e afinco os arquivos eletrônicos e através de outros meios os órgãos de segurança pública, como também o Tribunal de Justiça de Pernambuco  e ficamos pasmos e estarrecidos com o que constatamos  através de alguns depoimentos a respeito de cerca de meia dúzia de cidadãos  que se auto denominam ferrenhos e atuantes cabos eleitorais da possível candidata pelo PL do município de Capoeiras. Pois bem, a FOLHA CORRIDA desse povo  é  mais comprida do que a légua tirana de Luiz Gonzaga. É de arrepiar!!! 


É claro e evidente que voto não se escolhe, mas venhamos e  convenhamos: cabo eleitoral, sim!!! Vários cabos eleitorais da pré-candidata desfilam  elegantemente de ternos lascados atrás com gravatas de seda na passarela do Código de Processo  Penal,  inclusive, alguns  deles, respondem ou são acusados por crimes de homicídios qualificados...


Prova de amor maior não há entre cabos eleitorais e o grupo da candidata. Na política esse pessoal segue direitinho o que pregou Cristo quando em vida na terra, ou seja: Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado... Portanto grupo da pré-candidata, o que eu vou escrever agora para refrescar à memória faz parte da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, como também é coisa bíblica, viu!!! Eis o que reza no livro dos livros: “Dize-me com quem andas que eu te direi quem és”...



domingo, 2 de maio de 2021

BLOGUEIRO ALTAMIR PINHEIRO É AMEAÇADO POR MARCELO TUBARÃO DE CAPOEIRAS


Por Altamir Pinheiro


Começarei este texto indagando o seguinte: o que move alguém a querer desancar a legítima opinião de um profissional de imprensa?!?!?! Pois bem, o   Blog Chumbo Grosso da cidade de Garanhuns, que é administrado pelo articulista político Altamir Pinheiro, recebeu, através de WhatsApp, uma gravação  com o seguinte teor:


“Olá,  pessoal do bastidores da notícia da minha querida Capoeiras!!!  Fazendo um comentário aqui sob essa postagem que já virou frequentemente em nossa cidade desse cidadão Altamir Pinheiro que ele não tenta se esconder não,  ele bota logo o nome dele estampado nas PALHAÇADAS que é postado nos blogs. É... Esse cara é  um cara que vive de ganhar dinheiro de prefeituras de políticos para levantar a bola ou baixar a bola de alguém. Um cara sem MORAL, não conheço ele em capoeiras e acredito que vocês também desconhecem ele  aqui na nossa cidade. 


E CONTINUA: Então seu Altamir Pinheiro, você não sabe o que o povo de Capoeiras vem sofrendo; você não sabe o que o povo de Capoeiras precisa; você não sabe que o povo de Capoeiras  é carente. Então, eu peço a você que se ABSTENHA de tocar no nome da nossa cidade. Capoeiras ´é nossa, é de nós que somos de Capoeiras. Cidadões (?) como você que vem pra qui só fazer inferno da política aqui sem você saber nem o que se passa. FIQUE LONGE, FIQUE LONGE,  se ABSTENHA de tocar no nome de Capoeiras.  E peço a você mais uma, viu!!! Peço a você mais uma quando você for falar nesses blog fajuto... frajuto (?) falar suas polêmicas que são muito poucas valiosas que eu não vejo validação em nada nisso aí. Poucas pessoas perdem tempo, aqui, lendo esses textos mal elaborado seu só de crítica e querendo humilhar o próximo. Poucas pessoas da qui ver isso ai. Inclusive, eu nem li todo, tô falando aqui, mas nem li isso aí não porque pouco me interessa. 


E CONTINUA: Primeiro tu não tem MORAL de falar sobre a nossa cidade, tu não sois(?) de Capoeiras e eu queria  pedir aos demais blogs que pudesse reproduzir essa minha fala  em outros blogs, que Altamir Pinheiro se ABSTENHA de falar da cidade de Capoeiras. Isso quem está falando é Marcelo Tubarão, capoeirense, de coração, amo minha cidade,  e NÃO PERMITO que você venha se meter, aqui, em alguma coisa que você não entende e nem sabe, quem passa o aperto aqui é nós, viu!!! E outra coisa: você e todos os capoeirense sabe, sabe, a turma do come tudo que foi lá pra Brasília. Você e todo mundo sabe. Não dê uma de João-Sem-Braço não, viu doutor!!! Essas são minhas palavras para com você. Você pode ter estudo para tá digitando uns textinhos bonitos... Eu também não sou muito analfabeto não, mas coragem pra enfrentar você nessas palavras frajuta (?) sua eu tenho e pra enfrentar você defendendo o meu povo e o povo de Capoeiras, Se ABSTENHA, Altamir Pinheiro, de falar  no nome do povo de Capoeiras, se ABSTENHA!!!”. 


Depois desse sermão do Tubarão, vamos aos fatos: tenho como concepção observatória que todo indivíduo metido a intimidante que não tem o que FAZER inventa estórias (geralmente, para não perder a boquinha ou empreguinho da viúva botado pela janela). E todo aquele que não tem o que FALAR costuma dizer calúnias e difamações (tentando cercear as palavras dos outros) Esse povo comigo quebra à cara, haja vista que, faz parte do meu EU (minha La Persona), não aceitar desaforo, ameaça ou advertência indevidas e intimidatórias de quem quer que seja!!! Até porque, meu MODUS OPERANDI quanto à reação a indivíduo desse naipe é não dá-lhe trégua, ir pra cima, peitá-lo; encará-lo; enfrenta-lo. Não com o braço forte da violência nem muito menos na base do trabuco ou três oitão, mas levar esse valentão à barra dos tribunais. 


Fazendo-se uma análise friamente, chegamos à seguinte conclusão: como esse cidadão que  usa  alcunha de TUBARÃO foi  presunçoso e arrogante ao  achar que a OPINIÃO ALHEIA também seria irrelevante ou descartável. Como é injusto e antidemocrático VETAR ao profissional de imprensa o direito de emitir juízo próprio. Como é INGÊNUO imaginar que toda notícia é isenta de manipulação por quem a publica. Como se sabe, nenhuma notícia é a total expressão da verdade sobre um fato. A própria Bíblia está aí, para comprovar isso. Entre o fato acontecido, o testemunho do fato, seu registro ou relato e sua chegada ao conhecimento do leitor  final, muita coisa é editada e se transforma. Agora, pedir para que o responsável pela notícia se ABSTENHA de falar sobre determinado local ou  comunidade,  tenha santa paciência, pois aí é querer muito.  Dentro do Estado Democrático de Direito e da Liberdade de Imprensa, como também o direito sagrado de   ir e vir  o Senhor TUBARÃO foi longe demais..


A propósito ou para quem não sabe, eu nunca deixei nem nunca me desfiz de andar sempre com dois fiéis “JAGUNÇOS” ao meu lado.  Quem me dar segurança absoluta  para enfrentar tais adversidades são justamente esses meus dois   “jagunços” – no sentido figurado -  que carrego a tiracolo para dá-me proteção total e irrestrita, em razão deles cumprirem  rigorosamente os  ditames  que têm pra ser feito doa a quem doer: Um, chama-se Juiz de Direito da Comarca de Capoeiras; o outro, Promotor de Justiça dessa mesma Comarca. E, correndo por fora, mas chegando junto quando se faz necessário, na retaguarda,  para me dar suporte, conto com a briosa delegacia de polícia, também localizada em capoeiras. dá pra tu Baleia?!?!?! digo melhor, Tubarão...


Tudo isso o que o leitor acabou de ler é  o que chamamos de crime de ameaça, previsto no artigo 147 de nosso Código Penal:  “Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-lhe mal injusto e grave: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa”. Como diria o árbitro de futebol Arnaldo César Coelho, a lei é clara!!! Ou seja, não é necessário que o criminoso leve suas ameaças a cabo ou que, na verdade, nem queira (ou tenha coragem) de levar suas intenções adiante. A lei pune o blefe. Para que o crime esteja configurado, basta que a vítima se sinta ameaçada e que o agente tenha tido no intuito de ameaçar. ENTENDESTE TUBARÃO, OU QUERES QUE EU FAÇA O DESENHO, HEIN?!?!?! 





sábado, 1 de maio de 2021

A LIVE DA LARANJA CELINA FOI SURRADA IMPIEDOSAMENTE PELOS INTERNAUTAS DE CAPOEIRAS

 














Por Altamir Pinheiro

Em tempo de pandemia virou moda fazer LIVE. Tornou-se um   fenômeno de audiência pelo  facebook, além do instagram que  é uma rede social online de compartilhamento de fotos e vídeos entre seus usuários. NA QUARENTENA O MUNDO VIROU UMA LIVE. Tudo isso foi um prato cheio para os políticos. Aliás,  o bom político é aquele que está em contato com a população, não só com  seu eleitor, mas a sociedade como um todo. Durante a crise provocada pelo Covid-19, ficar, fisicamente, próximo das pessoas se tornou uma tarefa inviável para a classe política. Diante disso, soluções estão surgindo aos borbotões. Entre elas, estão as lives, exibidas nas redes sociais, tanto nas grandes metrópoles como numa pequena cidade do interior do Nordeste. 


No tocante à live de Capoeiras, qualquer criança de 12 anos sabe muito bem que, não se pode exigir de alguém que não saiba, nem nunca aprendeu,  que entre na cabina de uma aeronave e pilote um avião, ou que se sente ao piano e toque uma peça musical, também não se pode exigir ou esperar que um casal como o ex-prefeito Dudu e sua laranja política Celina, os dois totalmente despreparados, com um português horrível(parece que estudaram em Caetés no mesmo grupo escolar do Lula), que    possua alguma ideia para levar ao público, tenha segurança,  altivez e compostura ao se dirigir o eleitorado, como também  atitudes e comportamentos políticos  inerentes,  adequados e próprios à solenidade do cargo para o qual vai disputar nessa eleição suplementar de Capoeiras. O QUE SE VIU FOI UMA PATETICE!!!


No tocante ao traje do casal, um horror!!! Ela com aquele vestido de cor azul bufante estava parecendo com a Maga Patalógica ou Madame mim das estórias de quadrinhos e desenhos animados, dando uma impressão que não ia participar de uma live e sim de uma sessão de bruxaria ou coisa que o valha; quanto ao marido, chegou com uma roupa grosseira aparentando que ia arrancar toco de jurema pela cepa ou tocar fogo numa coivara no pé da serra. Na verdade, o que se presenciou foi um cenário desastroso para uma live que não disse para que veio. E HAJA MONOTONIA!!! 


Quanto à live de Nego do Mercado, ele chegou ao estúdio, harmoniosamente, acompanhado de toda sua família (filhos e esposa), demonstrando mais uma vez ser possuidor de uma família totalmente equilibrada, além da importância que ele dá aos laços familiares que move um grupo de pessoas que compartilham a mesma casa. Todos vestidos  com simplicidade, mas com apuro e bom gosto. Sob o comando  do elegante radialista Gilmar Alves, juntamente com os outros seus colegas, prepararam um estúdio bastante aprazível com um cenário impecável e de muito bom gosto. Todo o desenrolar da falação foi um show à parte, pois houve a participação de várias pessoas da sociedade, inclusive lideranças políticas com depoimentos importantes e muito proveitosos para todos os internautas que estavam assistindo.  Não à toa, na média, o placar foi de 800 a 200 internautas em prol de Nego do Mercado. Na verdade, o que se viu naquele sábado, dia 24 de abril, ou melhor, o que se assistiu naquele sábado, foi uma derrota acachapante sofrida pelo casal Dudu/Celina. Espera-se que nas urnas sejam confirmadas  essa baita vantagem!!!