ESCOLA PROFISSIONALIZANTE SANTA BÁRBARA: EM ARAPIRACA e ARACAJU VIROU FACULDADE"""

ESCOLA PROFISSIONALIZANTE SANTA BÁRBARA: EM  ARAPIRACA e ARACAJU VIROU FACULDADE"""

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

O BRASIL SÓ TEM MESMO MEDO DO LULA, POR ELE SER LADRÃO... DA REGINA DUARTE, NUNCA!!!


Diogo Schelp

Regina Duarte foi a primeira vítima da polarização política criada pelo petismo. Em 2002, ela foi massacrada pelos colegas da classe artística e pela esquerda em geral por ter dito, em mensagem gravada para a propaganda eleitoral do então candidato presidencial José Serra (PSDB), que tinha medo de que Lula (PT) pudesse ser eleito, como de fato ocorreu. A atriz foi chamada de terrorista por manifestar uma preocupação que, vista em retrospecto, não tinha nada de absurda.

No poder, o PT aprofundou a polarização radicalizada, selecionando o PSDB como inimigo absoluto e adotando a lógica segundo a qual a única posição política aceitável era a adesão automática e acrítica ao seu projeto de poder. Esse processo se intensificou quando surgiram as primeiras revelações do escândalo do Mensalão.

A polarização e a corrupção desvairada dos anos petistas fizeram emergir o bolsonarismo, deixando o PSDB pelo caminho.

O governo Bolsonaro perpetua a intolerância política inaugurada pelo PT — até porque não existe polarização sem extremos. Mas Regina Duarte, que acaba de aceitar o convite para ser a nova secretária de Cultura de Bolsonaro, não está entre os apoiadores do presidente que alimentam essa polarização.

Ela não é fascista, como agora dizem seus detratores, atualizando o léxico dos xingamentos políticos. Em suas entrevistas recentes, vislumbra-se a defesa da pluralidade — não só na política, mas principalmente na cultura, que é o que importa, considerando-se o cargo que passará a ocupar.

Regina Duarte se diz contra a ingerência exagerada do Estado na promoção da cultura, em especial quando beneficia artistas já consagrados e bem estabelecidos. Mas também se opõe a usar critérios ideológicos para definir as prioridades na área. Ela até defendeu o filme “Bruna Surfistinha”, uma das obras preferidas dos ataques bolsonaristas, em reunião recente com integrantes do governo.

Em qualquer circunstância, Regina Duarte na Secretaria de Cultura é um avanço em relação ao seu antecessor, Roberto Alvim, demitido após aparecer em vídeo replicando um discurso nazista.

Se a atriz vai se mostrar uma boa gestora, são outros quinhentos. Só o tempo dirá. Por ora, deve-se deixá-la trabalhar.

Nenhum comentário: