sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

DILMA VAI RECEBER UMA TORNOZELEIRA ROSA PARA SAIR NA REVISTA CARAS...


 

Carlos Newton


Conforme se esperava, foi só Emílio e Marcelo Odebrecht assinarem os acordos de delação e leniência com a Procuradoria-Geral da República para começar o vazamento de informações sobre o teor dos depoimentos iniciais que os dois já prestaram à força-tarefa da Lava Jato. Em matéria divulgada na manhã desta sexta-feira pela Agência Estado, o empresário Marcelo Odebrecht, que presidia o grupo empresarial da empreiteira e se relacionava diretamente com a então presidente Dilma Rousseff, já prestou depoimento revelando que ela sabia do esquema de corrupção na Petrobras para distribuição de propinas à base aliada do governo, embora nunca tenha pedido recursos para ela mesma.
Marcelo Odebrecht livrou Dilma de participação em crime mais grave, porém a delação premiada do empresário comprova que ela cometeu crime de responsabilidade, pois se beneficiou diretamente do produto da corrupção, cujas propinas ajudaram a bancar sua campanha eleitoral e a manter a união da base parlamentar de seu governo.
PUNIÇÃO  Como presidente, Dilma estaria submetida ao art. 85 da Constituição, que, em seu inciso V, considera crime de responsabilidade “a improbidade na administração”. Que, na prática, é uma das definições da prevaricação.
Na prática, a chefe do governo cometeu crimes continuados de prevaricação, por permitir a instalação de um esquema criminoso na administração pública federal e terá de ser processada e levada a julgamento pela força-tarefa da Lava Jato.
Dilma já é investigada no Supremo por obstrução da Justiça no caso da tentativa de nomear Lula para a Casa Civil e também por haver tentado libertar Marcelo Odebrecht com apoio do ministro Marcelo Navarro Dantas, nomeado por ela para integrar o Superior Tribunal de Justiça. O inquérito corre no Supremo, porque o ministro Navarro Dantas tem foro especial.
NAS MÃOS DE MORO  No tocante à gravíssima acusação de Marcelo Odebrecht, a investigação sobre Dilma vai tramitar na Justiça Federal de 1ª instância, porque Dilma não tem mais foro privilegiado. Por ter cometido prevaricação, terá de ser investigada e julgada como cidadã comum na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, presidida pelo juiz Sérgio Moro. E não adianta mais Dilma alegar que não participou de nada, jamais levou propina e nunca abriu conta no exterior. As provas estão se acumulando contra ela, porque Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, já havia declarado em depoimento que a então ministra da Casa Civil sabia de tudo sobre a negociata da Refinaria de Pasadena. Traduzindo: “SONINHA TODA PURA”, criação de Ilclemar Nunes, nunca existiu no Planalto; quem andou por lá foi a “BONITINHA MAS ORDINÁRIA”, de Nelson Rodrigues.






Nenhum comentário:

Postar um comentário