quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O CACHORRO LOUCO DO TRUMP É A PERSONALIDADE DO ANO



Aluízio Amorim

O establishment e toda a grande mídia continuam inconsoláveis com a vitória de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos. É o caso da ex-importante revista Time que restou, como suas congêneres, como peça de um museu que conta a história da imprensa depois do advento da internet, das redes sociais, dos blogs e sites independenteds. 

Sobreviveu, no entanto, o bastante para eleger Donald Trump como a personalidade do ano. No miolo da publicação há uma enorme matéria, conforme se pode conferir em seu site que serve, no mais, para consolar Hillary Clinton, o establishment e os ditos “liberals”, eufemismo construído pelos próprios comunistas norte-americanos para servir de esconderijo ideológico, haja vista a histórica repulsa da maioria dos cidadãos americanos ao marxismo e suas variantes. O Partido Democrata passou ser uma espécie de porto seguro para essa gentalha esquerdista que acabou sendo massacrada por Donald Trump.

A reportagem inteira da revista Time sobre Trump serve mais como um consolo para os perdedores quando tenta, de todas as formas, reforçar a narrativa furada de que a vitória de Donald Trump foi algo surpreendente, de virada. Afinal, a grande mídia e os famosos institutos de pesquisa são os grandes perdedores junto com Hillary Clinton e seus sequazes, já que foram os artífices do grande engodo. Uma mentira repetida ad nauseam nem sempre se transforma numa verdade absoluta.
Nunca se verificou ao longo da história política mundial a uniformidade total da grande imprensa em defesa de um candidato como se viu nessa última eleição presidencial americana. “Toda unanimidade é burra”, já dizia o famoso jornalista, escritor e dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues.

Resta portanto a choradeira do esquerdismo bundalelê. E no rol das celebridades listadas pela Times para eleger a personalidade do ano constava - pasmem - Hillary Clinton e Vladmir Putin. Para não pegar muito mal, Times diz ter incluído o político conservador inglês Nigel Farage, que foi o grande líder da campanha do Brexit, que culminou com o referendum vitorioso pela saída do Reino Unido da deletéria União Europeia.

Restou para a Time dizer a verdade: DONALD TRUMP LUTOU SOZINHO TENDO CONTRA SI UMA FABULOSA MÁQUINA DESTINADA A MOER SUA REPUTAÇÃO. É, PORTANTO, MUITO MAIS DO QUE A PERSONALIDADE DO ANO,  É UM VERDADEIRO HERÓI NO SENTIDO ESTRITO DA PALAVRA.  TODAVIA ISSO JAMAIS SERÁ ADMITIDO PELA TIME.

E ainda tem um detalhe especial: a eleição presidencial deste ano nos Estados Unidos entrará com certeza para a história como um marco de salvação da Civilização Ocidental. E, como não poderia deixar de ser, a revista Veja, uma cópia mambembe da Times, repercutiu a escolha de Trump como a personalidade do ano. Cuidou no entanto em seu texto de fazer rodar a maquininha da guerrilha cultural politicamente correta ao destacar uma frase do chefe do bureau da Times em New York, Michael Scherer, na apresentação da reportagem: : “... a campanha eleitoral de Trump foi distinta das demais na última geração, já que o republicano evitou falar sobre um futuro brilhante e de união, mas sim exacerbou as diferenças atuais, “inspirando novos níveis de ódio e medo dentro de seu país”.

Níveis de ódio e medo? Estão aí as duas palavras chaves da guerra cultural. Quem entender isso, como já disse aqui no blog, mata a charada e não gastará mais um tostão comprando, assinando e lendo essas porcarias destinadas à lavagem cerebral. Igualmente as pessoas inteligentes já não vêem mais televisão. Ou você caro leitor ainda assiste, por exemplo, o tal Manhattan Conection?

Nenhum comentário:

Postar um comentário