terça-feira, 30 de maio de 2017

BARRACO NO ÔNIBUS DO  ALTO DA FOICE


Cicero Tavares

Era uma quarta-feira enluarada, o vento soprando os cabelos dos transeuntes que voltavam do trabalho e levantando as saias das jovens para mostrar a bunda. Depois de mais de oito horas de labuta era natural que as pessoas estivessem cansadas, exaustas, com o nervo à flor da pele, se alterando com qualquer incidente cotidiano, levando-o ao extremo do debate boca por simples aborrecimento efêmero.

Era dia de clássico das multidões. PRIMEIRO JOGO DAS QUARTAS DE FINAL DO CAMPEONATO PERNAMBUCANO ENVOLVENDO SANTA CRUZ E SPORT. Para azar de todos os trabalhadores que retornavam do trabalho o inferno já começava na Encruzilhada. Ônibus parados, carros particulares, táxi. Tudo. Pessoas descendo e caminhando a pé porque não havia a mínima possibilidade do transporte prosseguir. Um inferno – diziam todos os passageiros dos coletivos. Torcidas corais e rubro-negras se engalfinhando no meio da rua feito gladiadores nos anfiteatros romanos.

O ônibus que seguia a linha ALTO DA FOICE/SUBÚRBIO travou na Encruzilhada, cheio de gente entupido. Dele ninguém descia. Ninguém subia. Um calor infernal. Gente descendo de outros ônibus e caminhando a pé ao MUNDÃO DO ARRUDA PELA AVENIDA BEBERIBE, porque o trânsito travou e carro nenhum se locomovia.

Neste exato momento SOBE AO ÔNIBUS DO ALTO DA FOICE UMA SENHORA MORENA, BAIXINHA, PEITOS ENORMES, CABELOS COM UM PITÓ ATRÁS, PARECENDO UMA CASA DE MARIMBONDO. E se esfregando por entre os passageiros, chega a se encostar no senhor sessentão que está sentado na quarta cadeira do lado esquerdo do meio do ônibus. E passa gente daqui e passa gente de lá, se esfregando na bunda da baixinha que já está virada no penteio de barrão com tanta esfregação no seu traseiro avantajado.

Nesse exato momento toca o celular do senhor sessentão que ela dele ficou perto: Trililililililili! Aí o homem se estica todo para tirar o celular do bolso direito da calça. Era a mulher dele no telefone. E ele atende:

– Oi, minha fia! Eu não cheguei ainda porque está um engarrafamento arretado aqui na Encruzilhada. Ninguém sai! Ninguém chega! É o jogo do Santa Cruz e Sport! Tá um inferno! Desliga e guarda o telefone no bolso. Enquanto isso, a mulher dos peitões fica junto dele, e a cada pessoa que passa esfregando sua bunda ela eleva os peitões na cara do velho, quase o sufocando.

Dois minutos após ter justificado à mulher por que não havia chegado ainda em casa, o celular toca novamente: Trilililililili! E o velho mais do que depressa, faz um esforço da porra, estica as pernas e tira o telefone do bolso:

– Alô! Oi minha fia! O ônibus ainda está parado! Ninguém sai. E eu não cheguei ainda por causa desse transtorno. E volta a guardar o celular no bolso, impaciente porque o ônibus não dava sinal de que ia seguir em frente. E a cada minuto mais gente chegava e a bagunça dava lugar à desordem.

Quando menos se espera, o telefone do sessentão volta a tocar novamente: Trilililili!! Era a mulher do outro lado da linha reclamando novamente por que o velho estava demorando tanto para chegar, e com a dificuldade de sempre, começa a tirar o celular do bolso para justificar o óbvio novamente:

– Oi, minha fia! O ônibus ainda está parado! Ninguém sai! Tá tudo travado devido a grande quantidade de torcedores se dirigindo ao campo! Me espere que já já eu estou chegando! E torna a guardar o celular no bolso novamente.

Não deu dois minutos, e o telefone do velho toca novamente. Aí a senhora espivitada que estava ao lado do velho, puta da vida, de saco cheio daquela aporrinhação, olha para o velho, com a boca esfumaçando, os olhos vermelhos, fulmina:

– Ô MEU SENHOR! O SENHOR NÃO TEM MORAL PARA ESSA PESSOA NÃO! O SENHOR NÃO RESPEITA ESSE PÁ DE OVO QUE TEM ENTRE AS PERNAS NÃO?! PORQUE SE FOSSE COMIGO EU JÁ TERIA MANDADO ESSA PORRA SE LASCAR, IR PRA PUTA QUE O PARIU! ESSA PESSOA NÃO TÁ VENDO QUE O SENHOR ESTÁ NO ÔNIBUS PRESO! PORQUE FICA ENCHENDO SEUS CUNHÕES? OLHE, SE FOSSE COMIGO EU JÁ TERIA MANDADO QUEBRAR A CARA DESSA RAPARIGA! ORA PORRA! A GENTE JÁ ESTÁ PUTA DA VIDA COM UM ENGARRAFAMENTO DO CARALHO DESSES, DOIDA PRA CHEGAR EM CASA E TEM DE AGUENTAR UMA APORRINHAÇÃO DESSAS!

Mal a mulher termina de falar, o telefone do velho toca novamente: Trililililili! E aí a mulher puta da vida, de saco cheio, com os pentelhos arrebitados, perde as estribeiras e parte pra cima do velho, toma-lhe o celular, põe no ouvido, e grita:

– Minha senhora! A senhora não tá vendo que esse velho tabacudo está no engarrafamento da porra por que não para de encher o saco dele e da  gente também?!

Foi quando do outro lado da linha a mulher, barraqueira, perguntou quem era aquela rapariga que estava ao telefone do velho dela. Sem papas na língua, a baixinha fumaçando de raiva, agarrada com o celular, berra:

– Eu sou a puta dele que está lhe butando gaia! E não fale nada mais não porque, puta da vida como eu estou, eu vou aí lhe quebrar os dentes e dar-lhe uma surra de cipó de goiabeira nesse seu tabaco veio, e nele também para ele aprender a respeitar esse pá de ovos murchos que tem entre as pernas que não servem mais pra porra nenhuma!

Nesse momento se ouve uma gargalhada geral no ônibus, com assobios, aplausos e gritos gaiatos de é isso aí minha senhora! Pau nela! Valeu! Nesse exato momento os passageiros esqueceram que estavam sofrendo num engarrafamento de mais de duas horas e riram-se a bandeiras despregadas!

A zoeira feita pela baixinha instigando o coroa tirou a tensão do povo que sirria de se mijar com a presepada! A confusão hilária provocada por ela tirando a tensão dos passageiros oprimidos, provou que o bom humor tem algo de generoso: Fez bem a todo mundo! Deu mais do que recebeu! PALMAS PARA O BOM HUMOR!






Nenhum comentário:

Postar um comentário