terça-feira, 2 de maio de 2017

BELCHIOR FARIA TUDO OUTRA VEZ!!!



AO FAZER UMA AUTOANÁLISE, CONSIDEROU-SE APENAS UM RAPAZ LATINO AMERICANO E, AO OLHAR SUA FOTOGRAFIA 3×4, IMEDIATAMENTE TRAÇOU UM PEQUENO PERFIL DE UM CIDADÃO COMUM. DESTA FORMA, PERCEBEU QUE VIVIA A PALO SECO E SENTIU FOME, POIS JÁ ESTAVA NA HORA DO ALMOÇO. ALMOÇOU, E APÓS FAZER UM BREVE COMENTÁRIO A RESPEITO DE JONH, RIU, EM SEGUIDA, VESTIU A SUA VELHA ROUPA COLORIDA E PARTIU PARA A BALADA DE MADAME FRIGIDAIRE.

Jandeilmo Cleidson


Ao se espremer entre homo sapiens no transporte coletivo no qual embarcara, concluiu que A VIDA NÃO PASSAVA DE UMA DIVINA COMÉDIA HUMANA, todavia era preciso manter as aparências. No caminho,  presenciou um caso comum de trânsito, onde uma pessoa gritava enfurecida: SAIA DO MEU CAMINHO! Ignorou e, como não era com ele, julgou-se um sujeito de sorte. De modo disfarçado, riu novamente ao olhar o semblante dos ocupantes da condução lotada na qual entrara há quase meia hora, ao perceber que cada um se considerava um ser de primeira grandeza. A ansiedade para vê-la o fizera chegar cedo ao local combinado, observou o ambiente, que parecia ter sido todo projetado através de esquadros e, enquanto um baihuno servia-lhe aquele drink barato, lembrou-se do conselho dado pelo seu velho amigo quando fora encontrá-la a primeira vez: “NÃO LEVE FLORES!”.   As pessoas começaram a chegar e, repentinamente, do meio do populus, como uma ALUCINAÇÃO, ela surgiu! Estava brasileiramente linda, como o diabo gosta. Ofereceu-lhe um drink, e ficou um tempo apenas apreciando-a. Ao lado dela, não notava as horas passarem, mesmo assim, fez mentalmente um pequeno mapa do tempo e lembrou-se da viagem a sua terra que os dois fariam naquela madrugada. De lá mesmo tomaram um táxi para o aeroporto, ao entrar no carro o taxista, não se conteve e riu daquele sujeito esquisito, TODO SUJO DE BATON. Embarcaram com 10 minutos de atraso e, na hora da decolagem, segurou firme na mão dela, pois nunca escondera de ninguém o seu MEDO DE AVIÃO. Durante a viagem conversaram sobre diversas coisas e, ao ser indagado se aquela viagem havia sido uma boa ideia, respondeu:  – Conheço meu lugar! Relembrou os GALOS, NOITES E QUINTAIS, e de uma terrível seca, quando houve um verdadeiro clamor no deserto por parte do seu povo. Quando ela perguntou a opinião dele acerca das transformações sociais que estavam ocorrendo, respondeu: – A SOCIEDADE PODE ATÉ MUDAR, MAS A ESSÊNCIA DAS PESSOAS PERMANECE INTACTA, AINDA VIVEMOS COMO NOSSOS PAIS. Sobre se havia arrependimento por algo que fizera, afirmou sem pestanejar que se tivesse oportunidade, FARIA TUDO OUTRA VEZ. O tempo passou, ele viveu o auge, o esquecimento, sumiu, reapareceu… Mas o anjo do Senhor (de quem nos fala o Livro Santo) desceu do céu pra uma cerveja, junto dele, no seu canto e a morte o carregou, feito um pacote, no seu manto…  Que a terra lhe seja leve! Os verdadeiros não morrem, sua memória se eterniza por meio das suas obras.  Belchior é um desses!

Nenhum comentário:

Postar um comentário