domingo, 11 de junho de 2017

GOVERNO E PT TEMEM NOVAS DELAÇÕES PREMIADAS



Walter Nunes E Venceslau Borlina Filho

Michel Temer chegou ao topo do poder de mãos dadas com os amigos. Assinou o termo de posse como presidente interino, em 13 de maio do ano passado, graças a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que comandava a Câmara e colocou em votação o processo de impeachment de Dilma Rousseff. 

Aproveitou a tinta da caneta e nomeou o deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) como ministro do Turismo e o suplente de deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) como seu assessor especial. O doleiro Lúcio Bolonha Funaro assistiu a tudo em liberdade. 

Passado pouco mais de um ano, Cunha, Alves, Rocha Loures e Funaro acompanham de dentro da prisão a crise que se abate sobre o colega presidente, hoje não mais interino. Temer também está atento ao que se passa com seus bons companheiros. 

Há entre os ocupantes do Palácio do Planalto o temor de que integrantes desse quarteto possam usar a delação premiada como atalho para abreviar o tempo de cadeia. Pelo menos dois deles já deram sinais de que podem falar. 

Lúcio Funaro, responsável pela engenharia financeira dos esquemas dos pemedebistas, trocou de advogado. Cézar Bittencourt, que o defendia, abandonou o caso dizendo que a delação geraria conflito de interesses com outros clientes. Os atuais advogados de Funaro não desmentem nem confirmam o desejo do cliente em delatar. "Conversei com meu sócio [Bruno Espiñeira Lemos] e por enquanto nada a declarar", disse o advogado Victor Minervino Quintiere. 

Nos bastidores, os pemedebistas temem que Funaro ensine aos procuradores o caminho das propinas pagas em diversos esquemas de corrupção envolvendo políticos do partido. Funaro é pivô, segundo o Ministério Público, de uma organização criminosa que cobrava propina de empresários que pleiteavam financiamentos administrados pela Caixa. O PMDB controlava postos-chave no banco. 

Foi, segundo José Yunes, ex-assessor de Temer, o portador de R$ 1 milhão da Odebrecht em caixa dois entregue no escritório do presidente, em 2014. Estourou o escândalo da JBS e ele não ficou de fora. Segundo Joesley Batista, a empresa repassou R$ 170 milhões à dupla Cunha e Funaro. 

Não bastasse todo esse histórico, nesta semana circulou entre políticos que o operador teria gravado parlamentares que teriam recebido propina das mãos dele. 
Cunha também manda recados nada sutis. Em dois processos, um por corrupção na Petrobras e outro onde é acusado de chefiar um esquema de cobrança de propina na Caixa, arrolou Temer como testemunha. 

Enviou a ele perguntas –as últimas na semana passada– que foram vistas como um aperitivo do que seria sua delação. "Eduardo tentou me fustigar", disse Temer a Joesley Batista, da JBS. 
Os temas eram a relação de Temer com empresários investigados na Lava Jato, seu papel na nomeação de diretores da Petrobras que foram presos, o que ele sabe sobre episódios de pagamento de propina na Caixa e sobre arrecadação de campanhas. 
Na cadeia Cunha passa o dia escrevendo e falando com advogados. Uma delação, no entanto, não seria para já. Segundo pessoa próxima a Cunha, o tempo de falar é quando o procurador-geral da República não for mais Rodrigo Janot. 

Os dois travaram duras batalhas e ele considera impossível fazer um bom acordo com o atual chefe do Ministério Público Federal. Em setembro, vence o mandato de Rodrigo Janot, que será substituído por um nomeado de Temer. 

Cunha e Funaro estão presos desde o ano passado. Já Rocha Loures e Alves, com poucos dias de prisão, permanecem em silêncio. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, declarou que espera a continuidade desse "padrão ético". 

Delatores da Odebrecht apresentaram aos investigadores da Operação Lava Jato extratos que seriam provas relativas ao pagamento de propina ao PMDB e ao Partido dos Trabalhadores (PT) por conta de um contrato de prestação de serviços da Diretoria Internacional da Petrobras.


O contrato do PAC SMS, da estatal, previa a manutenção de unidades da empresa no exterior e tinha uma previsão inicial de orçamento que superava os US$ 800 milhões. A informação foi publicada neste sábado (22) pelo jornal "Folha de S.Paulo" e confirmada pela TV Globo.

Entre os documentos, há uma planilha com vários registros de pagamentos, inclusive em contas no exterior. São 70 pagamentos que vão de US$ 256 mil a US$ 3 milhões.
As planilhas somam US$ 65 milhões que foram repassados a seis codinomes entre 2010 e 2012. Entre eles, "ferrari" e "drácula", que seriam, segundo os delatores, o ex-senador petista Delcídio do Amaral e o atual senador pelo PT, Humberto Costa. Já o codinome "camponês, que segundo a rerportagem da "Folha de S.Paulo" é o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

É citado ainda o codinome "acelerado". O nome do politico associado é o de Eduardo Siqueira Campos, filho do ex-governador de Tocantins pelo PSDB, José Wilson Siqueira Campos.

Também foram citados os codinomes "mestre" e, "tremito". Na relação dos documentos já divulgados, não existem politicos relacionados a esses nomes, mas tudo indica que sejam do PMDB. O nome de políticos pode estar no material que ainda está sob sigilo para não atrapalhar as investigações.

O maior repasse foi para o codinome "acelerado", que recebeu em 2011 e 2012, US$ 24,75 milhões e "tremito", com US$ 19 milhões. Para distribuir esse dinheiro, a Odebrecht usou empresas em paraísos fiscais e entregas em dinheiro vivo no Brasil.

Em seu depoimento, Márcio Faria, ex-presidente da Odebrecht Engenharia Industrial, disse que participaram dessa negociação outro executivo da empreiteira, Rogério Araújo, e o lobista João Augusto Henriques, que era uma espécie de intermediário entre a construtora e o PMDB A propina foi de "US$ 40 milhões, que correspondiam a 5% do valor do contrato, que seria 4% para o PMDB [US$ 32 milhões] e 1% para o PT [US$ 8 milhões]".

Segundo Márcio Faria, foi preciso marcar uma segunda reunião. Dessa vez, disse ele, com políticos do PMDB, incluindo Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves e o então vice-presidente Michel Temer. O delator afirma que esse encontro era para demonstrar que os dois deputados tinham a confiança de Temer. E, ainda de acordo com o delator, ninguém falou em valores nesse encontro.

Quando os depoimentos dos delatores foram divulgados, o presidente Michel Temer usou as redes sociais e negou que tenha negociado propina.  Esses documentos foram anexados ao inquérito que investiga o senador Humberto Costa, no Supremo Tribunal Federal (STF), por suspeita de também ter se beneficiado dos desvios nesse contrato. Essas provas - apresentadas agora - vão servir para reforçar a investigação e apontar novos caminhos para o esclarecimento do caso.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não pediu a abertura de inquérito em relação ao presidente Michel Temer porque, enquanto estiver no cargo, ele tem "imunidade temporária". Com isso, não pode ser investigado por atos que aconteceram quando ele estava em outra função.

OUTRO LADO


A defesa de Eduardo Cunha disse que a acusação é inventada e que não há provas contra o ex-deputado.


O advogado de Henrique Eduardo Alves declarou que o cliente não estava na reunião e que jamais tratou do assunto.

A assessoria de Delcídio do Amaral declarou que tudo já foi esclarecido no acordo de colaboração.

O senador Humberto Costa disse que desconhece qualquer associação do nome dele a apelidos atribuídos pela Odebrechet e que não recebeu contribuição da empresa para a campanha ao Senado.

O Jornal Nacional não conseguiu contato com João Augusto Henriques e nem com o deputado estadual Eduardo Siqueira Campos.

O PT não quis se manifestar e a reportagem do Jornal Nacional não teve resposta do PMDB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário