ESCOLA PROFISSIONALIZANTE SANTA BÁRBARA: EM ARAPIRACA e ARACAJU VIROU FACULDADE"""

ESCOLA PROFISSIONALIZANTE SANTA BÁRBARA: EM  ARAPIRACA e ARACAJU VIROU FACULDADE"""

terça-feira, 26 de junho de 2012

Dinheiro desviado do Banco do Nordeste abastecia o caixa do PT.



O CUEQUEIRO ZÉ GUIMARÃES, IRMÃO DE GENOÍNO, PASSOU O RODO EM MAIS DE 100 MILHÕES DE REAIS ATRAVÉS DE EMPRÉSTIMO FRAUDULENTO NO BANCO DO NORDESTE.



Dirceu Ayres

Reportagem da revista Época deste fim de semana revela o desvio de mais de R$ 100 milhões do Banco do Nordeste. Boa parte desses recursos irrigaram as contas do Partido dos Trabalhadores do Ceará. Entre os maiores beneficiados está o hoje DEPUTADO FEDERAL JOSÉ GUIMARÃES. Guimarães ganhou notoriedade quando seu assessor parlamentar foi detido pela Polícia Federal portando US$ 100 mil na cueca. O episódio ocorreu em 2005, auge do escândalo do Mensalão. De acordo com dados entregues ao TSE em 2010, os maiores doadores de campanha de Guimarães à Câmara foram José Alencar Sydrião Júnior, diretor do BNB e filiado ao PT; Roberto Smith, presidente do banco no período em que ocorreram operações fraudulentas e Robério Gress do Vale, então chefe de gabinete da presidência do banco. Com a divulgação da reportagem, o Banco do Nordeste afastou Robério Gress do cargo. Abaixo um trecho da reportagem de Época: O novo esquema de desvios e fraudes no banco nordestino segue um padrão já estabelecido na longa e rica história da corrupção brasileira: o uso de laranjas ou notas fiscais frias para justificar empréstimos ou financiamentos tomados no banco. Assim como na dança de dinheiro dos tempos do mensalão, as suspeitas envolvem integrantes do PT. Um levantamento feito por ÉPOCA mostra que, entre os nomes envolvidos nas investigações da CGU e da Polícia Federal, há pelo menos DEZ FILIADOS AO PT. Apresentado ao levantamento e aos documentos, o promotor do caso, Ricardo Rocha, foi enfático ao afirmar que vê grandes indícios de um esquema de caixa dois para campanhas eleitorais. “O NÚMERO DE FILIADOS DO PT ENVOLVIDOS DÁ INDÍCIOS DE AÇÃO ORQUESTRADA PARA ARRECADAR RECURSOS”, afirma Rocha. A maioria das operações fraudulentas ocorreu entre o final de 2009 e o início de 2011. Somados, os valores dos financiamentos chegam a R$ 100 milhões, e a dívida com o banco a R$ 125 milhões. Só a MP Empreendimentos, a Destak Empreendimentos e a Destak Incorporadora conseguiram financiamentos na ordem de R$ 11,9 milhões. Elas pertencem aos irmãos da mulher de Robério do Vale, Marcelo e Felipe Rocha Parente. Segundo a auditoria do próprio banco, as três empresas fazem parte de uma lista de 24 que obtiveram empréstimos do BNB com notas fiscais falsas, usando laranjas ou fraudando assinaturas. As empresas foram identificadas após a denúncia feita por Fred Elias de Souza, um dos gerentes de negócios do Banco do Nordeste. Ele soube do esquema na agência em que trabalhava, a Fortaleza-Centro, e decidiu procurar o Ministério Público, em setembro do ano passado. “SOU FUNCIONÁRIO DO BANCO HÁ 28 ANOS. QUANDO SOUBE DO QUE ESTAVA ACONTECENDO, ACHEI QUE TINHA O DEVER DE AVISAR O MP”, diz. O promotor Rocha, depois de tomar conhecimento do teor e da gravidade das denúncias de Souza, chamou representantes do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e da Controladoria-Geral da União para acompanhar o depoimento. Em um dos casos, fica evidente o aparelhamento político do banco por membros do PT. Souza denunciou a existência de um esquema chefiado pelo empresário José Juacy da Cunha Pinto Filho, dono de seis empresas que obtiveram mais de R$ 38 milhões do Banco do Nordeste, em recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), entre 2010 e 2011. Para conseguir financiamentos para compras de máquinas e veículos, foram apresentadas notas fiscais falsas, segundo o Relatório da CGU. Tudo era feito com a conivência de funcionários das agências bancárias e de avaliadores do banco. No caso da empresa Flexcar Comércio e Locação de Veículos, o então gerente de negócios da Agência BNB Fortaleza-Centro, Gean Carlos Alves, afirmou em laudo ter visto os 103 carros financiados pelo banco. Fred de Souza afirmou em depoimento que uma fiscalização identificou apenas 33. Segundo a investigação, Alves alterou os registros referentes aos gravames (documentos de garantia da dívida) dos veículos para liberar quase R$ 3 milhões para a Flexcar, aceitou notas fiscais falsas e falsificou o e-mail de um colega. Segundo o depoimento de Fred de Souza, Alves liberou R$ 11,57 milhões para três empresas de Pinto Filho usando uma senha dada pelo controle interno do banco e pela Gerência-Geral da agência. A gerência é ocupada por MANOEL NETO DA SILVA, FILIADO AO PARTIDO DOS TRABALHADORES.







Nenhum comentário: