ESCOLA PROFISSIONALIZANTE SANTA BÁRBARA: EM ARAPIRACA e ARACAJU VIROU FACULDADE"""

ESCOLA PROFISSIONALIZANTE SANTA BÁRBARA: EM  ARAPIRACA e ARACAJU VIROU FACULDADE"""

terça-feira, 10 de março de 2020

AS "BOQUINHAS" DA ONU ENTREGUES A POLÍTICOS DO TERCEIRO MUNDO

MICHELLE BACHELET, QUE GANHA A VIDA FALANDO CONTRA “A DIREITA” E CONTRA OS “PRECONCEITOS”,  MENOS OS SEUS, É CLARO!!!


J.R.GUZZO

A cada vez que aparece algum problema de extensão mundial nas áreas da saúde, alimentação, educação, direitos individuais e outras questões ligadas mais diretamente aos interesses das pessoas fica claro, na frente de todo mundo, a inutilidade de todos esses órgãos das Nações Unidas que foram sendo criados ao longo dos anos para, justamente, ajudar na solução de tais dificuldades.

Essas organizações não são mais, se é que foram algum dia, entidades destinadas a prestar serviços. Foram transformadas em deploráveis "boquinhas" internacionais, entregues a políticos de Terceiro Mundo que ficam desempregados. Ali eles ganham altos salários, uma penca de mordomias “padrão Brasília” e a oportunidade de ficar dando palpites com uma nota só: todos os problemas do planeta, da ignorância à doença, da pobreza à violência, do ambiente à violação dos direitos individuais são culpa dos Estados Unidos. Ou do capitalismo, do 1% mais rico da população mundial, da indústria, do comércio, das bolsas de valores, da iniciativa privada e por aí afora.

Como nada disso vai ter solução amanhã, os burocratas cinco estrelas que ocupam essas super boquinhas se sentem autorizados a não fazer nada, nunca, em relação a nenhum dos problemas que são pagos para cuidar. Fazem discursos, viajam pelos quatro cantos do mundo, pedem “mais ajuda financeira dos países ricos” – e dão por cumpridas as suas obrigações de trabalho.

Temos o exemplo, agora, desse diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, um etíope que descolou o emprego em alguma “negociação”. Ele e a sua OMS são absolutamente nulos na missão de colaborar com o combate do coronavírus; tudo o que conseguiu foi fazer uma pregação contra o perigo dos “preconceitos”.

Nada disso, é claro, sai de graça. O Brasil, que não tem onde cair morto, é obrigado a contribuir com sua quota anual de uns tantos milhões de dólares para sustentar os diretores e os demais marajás que formam o funcionalismo das organizações internacionais. Nenhum dá expediente em Carapicuíba. Só cuidam de problemas dos “pobres”, mas seus locais de trabalho são Paris, Roma, Genebra, Nova York.

Não são apenas os salários, em nível de magistrado de um TRF brasileiro, que é preciso pagar. Junte aí as viagens, os “eventos”, as conferências, os reembolsos, as aposentadorias com remuneração integral – a coisa vai longe. O mais interessante da história toda é que são os Estados Unidos, justamente o país mais odiado pela ONU, suas organizações e seus altos burocratas, os que mais pagam, disparado, para cobrir as despesas da coisa toda – que, naturalmente, não param de crescer.

É a vida. A “alta comissária” da ONU para os “direitos humanos” (sim, também existe essa boquinha: “alto comissário”) é a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, que ganha a vida falando contra “a direita” e contra os “preconceitos” – menos os seus, é claro. O diretor-geral da FAO, que cuida das questões ligadas à alimentação e agricultura, chegou a ser aquele homem do “Fome Zero”, que Lula inventou e logo desinventou. Nem ele aguentou o companheiro, e tratou de despachá-lo para longe daqui. Não é preciso dizer mais nada.

ZÉ GRAZIANO: O PETRALHA QUE QUEBROU O FOME ZERO



Nenhum comentário: