quarta-feira, 12 de abril de 2017

JOÃO DÓRIA TEM HORROR A SEGUNDO TURNO


Carlos Newton
Agora, não tem mais jeito. O prefeito de São Paulo, João Doria Jr. (PSDB), escapou da dengue, da chikungunya, da zika e da febre amarela, mas acabou mordido pela velha mosca azul. Embora ainda tente negar a intenção de disputar as eleições presidenciais de 2018, o fato concreto é que já está em plena campanha, como ficou comprovado nesta segunda-feira, no inflamado discurso que abriu o 30° Fórum da Liberdade, em Porto Alegre (RS), quando não se conteve e sinalizou que realmente vai disputar a sucessão de Temer, a pretexto de evitar que o ex-presidente Lula da Silva volte ao poder.
Falando a uma plateia de empresários e estudantes, de microfone na mão e circulando pelo palco, o neolíder tucano não fez por menos: “VOU USAR TODA A MINHA FORÇA COMO CIDADÃO, COMO PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO, SENDO CORRETO E HONESTO, PARA DIZER: LULA, VOCÊ NÃO É O SALVADOR DE NADA, VOCÊ QUASE DESTRUIU O BRASIL. VOCÊ NÃO VAI DESTRUIR OUTRA VEZ O SONHO DO BRASIL”, afirmou, arrancando aplausos entusiásticos.
ÚLTIMA CARTADA – Cumprindo penoso exílio político em São Paulo, caindo para segundo plano desde que Doria assumiu a prefeitura, o governador Geraldo Alckmin retirou a última carta da manga e a lançou sobre a mesa do pôquer político. “João Doria seria um ótimo candidato ao governo paulista”, arriscou, na manhã desta segunda-feira, antes de o prefeito paulistano fazer seu pronunciamento em Porto Alegre.
Ao final da palestra, foi cercado pelos jornalistas, que perguntaram se seria candidato a presidente em 2018. O tucano voltou a negar a possibilidade, dizendo que está focado na gestão da capital paulista e que sua única intenção é ser “candidato a um bom prefeito”.
Mas há controvérsias, diria Francisco Milani, que adorava política e foi vereador no Rio de Janeiro pelo Partido Comunista Brasileiro, o velho Partidão, depois se filiou ao PPS.
CLIMA DE COMÍCIO – A palestra de Doria transcorreu em clima de comício, com farta munição política. Doria aproveitou para criticar também os filhos de Lula, dizendo que eles ficaram “MILIONÁRIOS DA NOITE PARA O DIA”, graças à corrupção. “OS MEUS FILHOS, AO CONTRÁRIO DOS FILHOS DAQUELE CIDADÃO, VÃO APRENDER QUE É COM TRABALHO QUE SE CONQUISTA, NÃO É COM ROUBO, NÃO É COM USURPAÇÃO, NÃO É COM PRESENTE DE EMPREITEIRA”.
Depois da palestra/comício, em entrevista à imprensa, Dória ironizou a situação atual de Lula, que responde a cinco processos, ao prometer que irá visitá-lo na cadeia: “EU AINDA DESEJO LEVAR UM DIA CHOCOLATES PARA O EX-PRESIDENTE LULA EM CURITIBA”.
CANDIDATURA – Pesquisa Datafolha mostra que maioria dos moradores de São Paulo (55%) acha que Doria não deve abandonar o mandato para ser candidato nas eleições de 2018, segundo o Datafolha.
Na entrevista em Porto Alegre, o prefeito foi questionado se ouviria o apelo de Alckmin ou preferia ouvir a população sobre uma possível candidatura ao governo do Estado. E a resposta foi típica dos tucanos, em cima do muro.

“Vou ouvir os dois (Alckmin e a população). Tenho estima, admiração e respeito pelo governador Geraldo Alckmin. E tenho lealdade também, essa é uma característica que tenho e vou manter, talvez diferentemente de outros, sou leal ontem e hoje”, afirmou. “Tenho que ouvi-lo, sim, e ouvir a população. Afinal, governamos para a população. A população é que nos aprova, é que determina se estamos o caminho certo. E até aqui estamos.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário