domingo, 30 de abril de 2017

O TIRO DO SINDICALISMO “INCARNADO” SAIU PELA CULATRA

AO DESPERTAR O ÓDIO, O DESPREZO E  A OJERIZA DA POPULAÇÃO DECENTE  DIANTE DOS ATOS DE VANDALISMO, A GREVE GERAL SE TRANSFORMOU NUM FRACASSO MAIÚSCULO!!!

 


Não foi uma estratégia de mobilização, mas de IMOBILIZAÇÃO. Por isso, a greve geral que ocorreu na última sexta-feira 28 conseguiu produzir uma unanimidade na sociedade: DE REPULSA, e se transformou num eloquente fracasso. A BADERNA provocada por integrantes das centrais sindicais e associações ligadas ao PT, como o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que incluiu a interrupção do transporte público e das vias na tentativa de transmitir a sensação de que foi exitosa, só contribui para gerar mais ANTIPATIA e REVOLTA entre a população interessada em fazer valer o seu direito de ir e vir. Não há dúvida de que greve é um direito constitucional do cidadão, sobre o qual não se discute. Mas impedir as pessoas de trabalhar, usando a violência pura e simples como forma de imposição, é uma transgressão inaceitável e uma atitude típica de MENTES TOTALITÁRIAS. “Os verdadeiros trabalhadores foram constrangidos e agredidos. O povo de verdade está passando frio, esperando condução. Greve é direito. Obrigar as pessoas a aderir a uma greve é crime”, esbravejou nas redes sociais a advogada e professora da USP, Janaína Paschoal. “A mensagem é a seguinte: se estamos no poder, o País funciona (SABEMOS COMO). Se saímos do poder, paramos tudo, ENTENDEM?”


PANCADARIA


No aeroporto Santos Dumont, no Rio, um grupo vestindo coletes e bonés da Central Única dos Trabalhadores (CUT) partiu para o confronto dentro do saguão do check-in, que funcionava normalmente. Houve trocas de socos e pontapés com taxistas, que reclamavam do fechamento da via em frente ao terminal. Mas não foi só lá que os manifestantes fizeram sua vontade valer pela FORÇA DOS PUNHOS. Também na Estação da Luz, em São Paulo, os sindicalistas EXPULSARAM DE DENTRO DOS TRENS passageiros que tentavam embarcar durante a reabertura das atividades entre trechos do metrô. Houve um princípio de tumulto, e a PM precisou intervir.

Os cidadãos que não foram trabalhar só o fizeram pelo ACHAQUE DOS SINDICALISTAS. Em Brasília, bloqueios impediram o acesso à cidade. Ao menos cinco estradas que fazem ligação com a cidade estavam fechadas, entre elas a BR-060, que liga a capital federal a Goiânia, onde pneus foram queimados. Outros pequenos atos pelas ruas de várias capitais serviram ao mesmo propósito: IMPORTUNAR aqueles que queriam trabalhar normalmente. Em Fortaleza, a atuação dos manifestantes gerou uma situação TRAGICÔMICA: os sindicalistas passaram em frente a lojas e as obrigavam a fechar as portas. Com medo, os comerciantes atendiam o pedido no momento, apenas para voltar a funcionar tão logo os militantes iam embora.

A adesão de diversos setores ficou muito ABAIXO DO ESPERADO pelas centrais sindicais. Mesmo os setores em que a participação parecia certa – caso dos bancários, metroviários e rodoviários – pararam apenas parcialmente. Como ficou claro que o movimento grevista NÃO TINHA A FORÇA QUE APREGOAVA, é provável que ele esfrie de agora em diante. Diz o filósofo e economista norte-americano, Thomas Sowell: “Um dos tristes sinais da nossa época é que demonizamos aqueles que produzem, subsidiamos os que se recusam a produzir e canonizamos os que reclamam”. Aqui, não! A greve, feita por POUCOS SINDICALISTAS, impediu o direito de ir e vir de muitos. No Rio, membros da CUT espancaram quem quis trabalhar no Aeroporto Santos Dumont (Créditos Dida Sampaio/Estadão; Antonio Cruz/Agência Brasil; Beto Barata/PR). – As manchetes não fazem parte do texto original -

 

GREVES DE GATOS PINGADOS






 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário