quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

MOTORISTA DA GRÁFICA USADA POR DILMA DIZ QUE VIROU “LARANJA” SEM SABER



Jonathan, que era motorista, tenta arranjar emprego

 



COMO CONFIRMA O JORNALISTA CARLOS NEWTON, AS PROVAS SÃO ABUNDANTES E EVIDENTES. GRÁFICAS-LARANJAS, SEM EQUIPAMENTOS NEM FUNCIONÁRIOS, E SÓCIOS-LARANJAS, COMO ESSE MOTORISTA, QUE AGORA PRECISA DESESPERADAMENTE DE UM NOVO EMPREGO.


Flávia Albuquerque e Elaine Patricia Cruz


O proprietário da Focal, o empresário Carlos Roberto Cortegoso, testemunha ligada às gráficas que prestaram serviços à campanha de 2014 da chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer, foi o último a ser ouvido antes do carnaval,  na sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em São Paulo. A gráfica Focal é uma das empresas investigadas por supostas irregularidades durante a campanha eleitoral. Cortegoso saiu por volta das 16h15, sem falar com a imprensa. Cortegoso e mais três testemunhas foram ouvidas pelo ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin, relator da ação que pede a cassação da chapa Dilma e Temer. Os depoimentos estão sendo realizados por videoconferência, com o ministro em Brasília.


O advogado Marcio Antonio Donizete Decreci, que defende Cortegoso, evitou dar detalhes sobre o que foi dito hoje. “Isso corre sob sigilo e só estou acompanhando”, afirmou. “Carlos esclareceu todos os pontos do trabalho que ele desenvolveu na campanha, em relação ao trabalho da Focal e aos serviços realizados”, disse o advogado. “Ele prestou o serviço, isso eu posso dizer.”


“LARANJA” CONFIRMA – Mais três pessoas foram ouvidas nesta segunda-feira: duas como investigadas, os empresários Rodrigo Zanardo e Rogério Zanardo, da Rede Seg Gráfica, e o ex-motorista de Cortegoso, Jonathan Gomes Bastos, como testemunha.

 

O ex-motorista, que já havia prestado depoimento no dia 8, esclareceu que, sem SABER, foi usado como laranja. Ele contou que está movendo um processo contra a gráfica, onde trabalhou por 13 anos. “MINHA VIDA MUDOU MUITO, HOJE TENHO O NOME SUJO, ESTOU DESEMPREGADO. USARAM MEU NOME EM TRÊS EMPRESAS CITADAS NA LAVA JATO [Focal Point, Redeseg e VTPB]. Fui um laranja.”


Jonathan disse que está com dificuldade para conseguir emprego. “Só preciso voltar a trabalhar. O que vai acontecer com eles não me importa, porque eles são ‘peixes grandes’. Tudo bandido, e com eles não vai acontecer nada.”


Sobre o depoimento do ex-motorista, o advogado de Cortegoso preferiu não fazer comentários. “É uma questão que está toda no processo e, neste momento, não quero me manifestar sobre isso.”


TEMER E DILMA – Os advogados do presidente Michel Temer e da ex-presidenta Dilma Rousseff acompanharam os depoimentos na sede do TER paulista. Na saída, Gustavo Guedes, defensor do presidente, disse que esta “foi mais uma audiência extenuante” e que as testemunhas, ouvidas desde as 10h, “em nada contribuem com o objeto desse processo”.


Segundo Guedes, o testemunho do ex-motorista é estranho ao processo. “A relação societária que ele tinha com o senhor Carlos Cortegoso é uma situação estranha a esse processo. O Brasil não pode seguir com esse processo tão importante para o país por conta de uma relação societária de uma gráfica ou de uma empresa que forneceu para a campanha. Na nossa avaliação, este é um tema que deve ser tratado na esfera criminal e tributária, para ver se isso realmente ocorreu, mas um processo dessa natureza, dessa importância, não pode seguir tão somente por conta de uma razão societária, de empresas que forneceram para a campanha.”


Mais uma testemunha ainda deverá ser ouvida pelo ministro por meio de videoconferência. Segundo Flávio Caetano, trata-se de uma testemunha de Minas Gerais, de uma terceira gráfica que prestou serviços para a campanha, a VTPB.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário